Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    29.013,98
    +276,83 (+0,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Novo estudo tenta explicar a origem das dunas de Io

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A lua Io, de Júpiter, pode ter a superfície repleta de dunas formadas por interações entre fluxos de lava e dióxido de enxofre. É o que propõe um estudo liderado por George McDonald, da Rutgers University, que pode explicar como as dunas se formam em um ambiente frio e com ventos fracos, como é o de Io. Além disso, o estudo permite também expandir a compreensão científica das formações geológicas em outros mundos.

O estudo foi baseado em outro anterior, voltado para a análise de processos físicos do movimento dos grãos somado a análises de imagens da sonda Galileo. A missão operou de 1989 a 2003, e uma das maiores conquistas dela foi a coleta de dados sobre a extensa atividade vulcânica de Io — para você ter uma ideia, o vulcanismo por lá é tão intenso que os vulcões alteram repetidamente a superfície da lua.

No canto inferior esquerdo da imagem, estão fluxos de lava posicionados recentemente; já as formações onduladas que dominam a foto são potenciais dunas (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/Rutgers)
No canto inferior esquerdo da imagem, estão fluxos de lava posicionados recentemente; já as formações onduladas que dominam a foto são potenciais dunas (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/Rutgers)

Por isso, Io tem superfície coberta por uma mistura de fluxos de lava escuros solidificados e areia, acompanhados de fluxos de lava “efusivos” e “neve” de dióxido de enxofre. Através de equações matemáticas, os cientistas simularam as forças atuantes sobre um único grão de basalto ou gelo, e calcularam o caminho que podem seguir com o efeito delas.

Eles descobriram que, quando a lava flui para o dióxido de enxofre sobre a superfície de Io, o escape do composto tem densidade e velocidade suficientes para mover os grãos pela lua; em outras palavras, isso pode possibilitar a formação de estruturas em larga escala, como as dunas. Após determinar o mecanismo de formação delas, os autores observaram imagens de Io capturadas pela Galileo.

A equipe notou que as cristas e relações de altura e largura entre elas são consistentes com as tendências das dunas observadas na Terra e em outros planetas. Para McDonald, o "estudo mostrou que os ambientes onde as dunas são encontradas são consideravelmente mais variados que as paisagens desertas clássicas e infinitas em regiões da Terra, ou no planeta Arrakis, em ‘Duna’", disse. “Trabalhos assim realmente nos permitem entender como o universo funciona”, finalizou Lujendra Ojha, coautor do estudo.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Communications.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos