Mercado fechado

Novo estudo revela 70 novas estrelas variáveis no aglomerado estelar NGC 559

Danielle Cassita
·2 minutos de leitura

Uma equipe de astrônomos liderada por Yogesh C. Joshi, do Aryabhatta Research Institute of Observational Sciences (ARIES), na Índia, realizou uma pesquisa de variabilidade fotométrica de longo prazo do aglomerado estelar NGC 559, que na constelação Cassiopeia e possui mais de 500 estrelas. Nos resultados, eles descobriram que o aglomerado possui 70 estrelas variáveis.

Os aglomerados estelares são ótimos objetos de estudo para pesquisadores que querem saber mais sobre a evolução das estrelas, porque eles possuem grupos de estrelas com características semelhantes, como tamanho, distância e composição inicial. Assim, os pesquisadores publicaram os resultados do estudo do NGC 559 como parte de uma campanha de monitoramento ampla de aglomerados pouco estudados.

As 70 estrelas variáveis descobertas no estudo (Imagem: Reprodução/Joshi et al., 2020./Phys)
As 70 estrelas variáveis descobertas no estudo (Imagem: Reprodução/Joshi et al., 2020./Phys)

Para o estudo, eles utilizaram diversos telescópios das classes de 1 metro e 2 metros. As observações foram realizadas por mais de três anos e resultaram na descoberta de dezenas de novas estrelas variáveis no NGC 559: eles descobriram 70 novas estrelas variáveis, ou seja, que têm luminosidade variando de acordo com o tempo. Deste grupo, 67 são estrelas variáveis periódicas, que têm periodicidade de três horas a 41 dias. A maior delas tem período menor que um dia.

De todas as estrelas variáveis periódicas apresentadas no artigo, 30 delas foram confirmadas como estrelas-membro do aglomerado, e outras receberam classificações variadas, como estrelas variáveis rotativas, variáveis não pulsantes, entre outras. Existem sete que ainda não foram classificadas. A equipe ressalta que três estrelas restantes das 70 analisadas no estudo são variáveis irregulares, sendo que duas delas fazem parte do aglomerado estelar. Assim, novas observações da fotometria e espectroscopia delas serão necessárias para um melhor entendimento destes objetos.

O artigo do estudo foi publicado em formato pré-print no repositório arXiv e ainda irá passar pela revisão de pares.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: