Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.642,43
    +113,46 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,00
    -0,67 (-1,07%)
     
  • OURO

    1.794,60
    +16,20 (+0,91%)
     
  • BTC-USD

    56.019,69
    +493,45 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,84
    +28,88 (+2,29%)
     
  • S&P500

    4.157,76
    +22,82 (+0,55%)
     
  • DOW JONES

    34.010,13
    +188,83 (+0,56%)
     
  • FTSE

    6.905,42
    +45,55 (+0,66%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.860,75
    +66,50 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

Novo ciclo do cobre traz chance para que mineradoras mudem sua imagem, dizem executivos

Marta Nogueira
·2 minuto de leitura

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A boas perspectivas vistas hoje para um novo ciclo do cobre, com forte demanda e avanço dos preços, traz grande oportunidade para que as mineradoras trabalhem em conjunto com a sociedade e mudem a sua imagem, muito comprometida com grandes desastres recentes, afirmaram executivos nesta sexta-feira.

A indústria vê hoje fundamentos consistentes para o mercado de cobre, matéria-prima para a fabricação de baterias, cuja demanda tem crescido diante de iniciativas rumo à eletrificação, com avanços na indústria de energias renováveis e carros elétricos.

Ao participar de seminário virtual "The Fastmarkets Copper Seminar", Ruben Fernandes, CEO de metais básicos da Anglo American, destacou que o metal vermelho tem um "futuro brilhante".

"Precisamos do cobre para o futuro... É uma grande oportunidade para mudar a percepção da sociedade com as mineradoras", disse Fernandes, destacando a importância de trabalhar em conjunto e explicando a necessidade da utilização do cobre.

"Nós precisaremos da mineração pelos próximos cinco mil anos e agora o mundo mudou. A sociedade não vai tolerar a forma como nós operávamos antes, então nós precisamos trabalhar junto com eles. E esse é o desafio que temos que ter na nossa mente, na nossa estratégia e no nosso plano de negócios", disse Fernandes.

O executivo disse não ser possível dizer se o mundo está diante de um "super ciclo do cobre", mas frisou que o mercado entende que os fundamentos são "muito fortes" e frisou que a companhia está trabalhando para ser bastante competitiva e estar pronta para os desafios que uma indústria de commodities traz.

O cobre atingiu uma máxima de quase 10 anos nesta semana na bolsa de Londres, com um aperto na oferta no curto prazo

A imagem da mineração, que já sofria resistência, foi bastante manchada após dois grandes desastres com barragens de rejeitos no Brasil, nos últimos anos, envolvendo a Vale, uma das principais exportadoras globais de minério de ferro.

Além dos desastres, outras questões complicadas também envolvem o imaginário sobre a mineração em todo mundo, como poluição, desmatamento, exploração de trabalhadores e do meio ambiente e diversos outros temas complexos.

Também presente no evento, Mark Travers, diretor executivo de Metais Básicos da Vale, foi na mesma direção de Fernandes e destacou os importantes programas criados pela companhia em busca de uma transformação cultural, que a aproximem da sociedade, além de destacar os fortes fundamentos vistos na indústria de cobre.

Segundo ele, a Vale tem um grande número de projetos para o metal básico e significativa sinergia com projetos de minério de ferro, que permite compartilhar infraestruturas, dentre outros pontos.

"Indústria, consumidores, todos estamos na direção correta, que é respeitar... comunidades locais... Essa é uma oportunidade fantástica de fazer a coisa certa e realmente impulsionar a sustentabilidade", afirmou.

Recentemente, o presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, afirmou que a companhia tem uma "visão muito bullish" ("altista") para o metal vermelho, cujos projetos podem ser acelerados na região de Carajás, no Pará.