Mercado abrirá em 4 h 26 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,64
    +0,21 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.783,60
    +1,60 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    48.368,39
    -5.941,93 (-10,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.100,24
    -142,81 (-11,49%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.920,53
    -17,71 (-0,26%)
     
  • HANG SENG

    29.078,75
    +323,41 (+1,12%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.774,50
    +24,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Novo chip de 5 nm da Huawei deve ser produzido pela Samsung, diz rumor

Diego Sousa
·2 minuto de leitura

Um usuário no microblog chinês Weibo disse, nesta terça-feira (23), ter conseguido informações de um novo chip mobile da Huawei sendo produzido em parceria com a Samsung Foundry, divisão da Samsung responsável pelos chips Exynos 2100 e Snapdragon 888. O processador equiparia os futuros celulares e tablets intermediários premium da chinesa.

Segundo as informações, o novo hardware, comercialmente chamado de Kirin 9000L, estaria posicionado um degrau abaixo dos Kirin 9000 e 9000E. Ele manteria o processo de fabricação de 5 nanômetros (nm), assim como os rivais da Samsung e da Qualcomm, mas teria núcleos rodando a até 2,86 GHz, contra 3,12 GHz dos irmãos mais potentes. Além disso, o chip seria equipado com uma GPU de 18 núcleos, também inferior aos modelos lançados em 2020.

Se confirmado, o futuro Kirin 9000L deve ser apenas compatível com a rede 4G, considerando que o governo norte-americano não autorizou o fornecimento de peças 5G — inclusive, a própria Qualcomm só teria conseguido autorização especial para fornecer soluções 4G à companhia chinesa.

Vale lembrar que, desde meados do ano passado, quando o governo dos Estados Unidos proibiu a Huawei de adquirir peças e tecnologias de origem norte-americana, a marca chinesa enfrentou problemas na cadeia de produção de smartphones das linha Mate e P, já que não havia componentes suficientes para equipar os lançamentos. No entanto, posteriormente os EUA começaram a "liberar" algumas empresas para negociar com a Huawei, como foi o caso de Qualcomm e MediaTek no fornecimento de chips.

Até o momento, não havia informações de que a Samsung Foundry teria solicitado uma licença especial aos Estados Unidos para negociar a produção de chips com a Huawei, mas, em outubro passado, a divisão de displays da gigante sul-coreana havia conseguido autorização para continuar fornecendo displays OLED à marca chinesa. Será preciso aguardar os próximos dias por alguma posição das suas fabricantes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: