Mercado abrirá em 2 h 39 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,36
    +0,54 (+0,85%)
     
  • OURO

    1.834,00
    +10,00 (+0,55%)
     
  • BTC-USD

    50.375,71
    +448,49 (+0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.395,34
    +7,43 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.007,22
    +43,89 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.237,50
    +137,25 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4279
    +0,0154 (+0,24%)
     

Novo chanceler emplaca diplomata na presidência da Apex, alvo de cobiça do centrão

PATRÍCIA CAMPOS MELLO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em mais uma medida que indica uma normalização do Itamaraty pós-Ernesto Araújo, o chanceler Carlos França indicou o diplomata Augusto Pestana para ocupar a presidência da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). A agência já teve três presidentes durante o governo Bolsonaro e passou por sucessivas crises devido a interferências ideológicas e políticas. A presidência da Apex, que tem orçamento previsto de R$ 1 bilhão para promover produtos e empresas brasileiras no exterior, era alvo de cobiça do centrão. França, porém, conseguiu emplacar um diplomata de carreira na agência, que está ligada ao Itamaraty desde a gestão de José Serra como chanceler. Desde maio de 2019, a Apex era presidida pelo contra-almirante Sergio Ricardo Segovia Barbosa. Antes dele, passaram pelo comando e perderam o cargo Alecxandro Carreiro e o embaixador Mario Vilalva. Carreiro teve passagem meteórica -ocupou a posição por menos de dez dias. Foi demitido depois de se desentender com a então diretora de Negócios, Letícia Catelani, que havia sido indicada por Ernesto e era próxima do deputado Eduardo Bolsonaro e do assessor internacional Filipe Martins. Também não ajudou o fato de Carreiro não falar inglês fluente, requisito previsto no estatuto da agência. Catelani também foi o pivô da demissão de Villalva. Ela entrou em conflito com o embaixador e foi apoiada pelo ex-chanceler. Ernesto havia promovido uma mudança no estatuto da Apex e transferido poderes que eram da presidência para dois diretores. Villalva saiu acusando Ernesto de deslealdade, disse que a mudança estatutária ocorreu "na calada da noite" e afirmou que Catelani e Marcio Coimbra, o outro diretor indicado pelo ex-chanceler, eram pessoas despreparadas e irresponsáveis. Ele afirmou que a Apex estava "um pouco paralisada diante de pessoas que não têm experiência nem maturidade para lidar com a coisa pública". Pestana, o novo indicado para presidência, é tido como "pessoa de confiança absoluta" do novo chanceler. Ele serviu nas embaixadas do Brasil na Nova Zelândia, no Japão e na Alemanha, foi diretor de negócios na Apex e, mais recentemente, estava na assessoria de planejamento diplomático.