Mercado abrirá em 8 h 58 min
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,59 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,65 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,01
    -0,75 (-0,67%)
     
  • OURO

    1.821,40
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    20.282,96
    -437,79 (-2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,34
    -10,72 (-2,38%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,31 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.062,24
    -356,73 (-1,59%)
     
  • NIKKEI

    26.740,71
    -308,76 (-1,14%)
     
  • NASDAQ

    11.689,75
    +15,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5438
    -0,0003 (-0,01%)
     

Ferrari tem dura tarefa de se adaptar aos carros elétricos

·3 min de leitura
O novo CEO da Ferrari, Benedetto Vigna, agora tem a difícil tarefa de reinventar a montadora para torná-la adequada para a era elétrica. (Getty Images) (Getty Images)
  • Novo CEO da Ferrari, Benedetto Vigna, agora tem a difícil tarefa de reinventar a montadora

  • Empresa tradicional italiana demorou para entrar no mundo elétrico e precisa correr atrás

  • Ferrari é principal escolha do Morgan Stanley para investimento em 2022

Em 1947, Enzo Ferrari apresentou o primeiro carro que levava seu sobrenome. Longa, leve e equipada com um potente motor de 12 cilindros, a Ferrari 125 S venceu seis corridas naquele ano, lançando as bases para o que se tornaria uma equipe recordista da Fórmula 1 e uma das marcas de automóveis mais cobiçadas do planeta.

Leia mais

O novo CEO da Ferrari, Benedetto Vigna, agora tem a difícil tarefa de reinventar a montadora para torná-la adequada para a era elétrica. A marca sinônimo de cavalos empinados é forte e deve ser capaz de suportar uma mudança para baterias. Afinal, as preocupações de que a Porsche estava se afastando de suas raízes de carros esportivos ao fabricar SUVs provaram ser infundadas. Ainda assim, não é possível deixar de associar a Ferrari aos motores barulhentos dos anos 80, quando Sonny Crockett, do Miami Vice, perseguiu os bandidos em seu icônico Testarossa branco.

Com esses dias passados, a Vigna agora precisa acelerar o impulso elétrico da Ferrari, mantendo seu fascínio e margens líderes do setor.

O forasteiro da indústria de 52 anos - ele se juntou à fabricante de chips STMicroelectronics no ano passado - reformulou várias divisões, incluindo desenvolvimento de produtos, para se reportar diretamente a ele para agilizar a tomada de decisões. Ele contratou dois executivos de tecnologia de confiança de seu antigo empregador. A Ferrari também está perto de firmar novas parcerias, já que Vigna busca enfrentar as profundas mudanças tecnológicas do setor.

O novo CEO da Ferrari, Benedetto Vigna, agora tem a difícil tarefa de reinventar a montadora para torná-la adequada para a era elétrica. (Daniele Venturelli/Getty Images for Montblanc)
O novo CEO da Ferrari, Benedetto Vigna, agora tem a difícil tarefa de reinventar a montadora para torná-la adequada para a era elétrica. (Daniele Venturelli/Getty Images for Montblanc)

Ferrari é principal escolha do Morgan Stanley

Alguns já estão otimistas sobre as perspectivas de Vigna. Os analistas do Morgan Stanley fizeram da Ferrari sua principal escolha de ações para 2022, à frente da Rivian, Tesla e General Motors, com expectativas de que as vendas e as margens aumentarão constantemente nesta década. A Ferrari pode crescer na Ásia e atrair novos clientes graças a uma "marca de renome mundial e uma carteira de pedidos de mais de 12 meses", escreveram analistas liderados por Adam Jonas em um relatório de 4 de janeiro.

Mas há sinais de alerta em meio ao hype. A natureza das transmissões elétricas significa que mesmo sedãs como o Model S da Tesla vêm com aceleração semelhante à de um carro de corrida, então a Ferrari está fadada a perder parte de sua vantagem de desempenho da era da gasolina. A empresa também está entre as mais lentas a adotar as baterias, deixando-a bem atrás não apenas da Tesla, mas também da Porsche e de empresas iniciantes como a Rimac Automobili quando se trata de tecnologia de veículos elétricos.

Enquanto a Ferrari em junho apresentou seu segundo híbrido plug-in, o 296 GTB de 819 cavalos de potência, seu primeiro veículo totalmente elétrico não está programado para chegar até 2025. O popular Taycan EV da Porsche está na estrada desde 2019 e vendeu mais que o icônico 911 no último ano.

Há um enorme interesse em como Vigna lidará com a transição da Ferrari, e espera-se que ele revele mais detalhes durante um dia de mercado de capitais em junho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos