Mercado fechará em 2 h 44 min
  • BOVESPA

    107.702,67
    -3.736,70 (-3,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.747,21
    -560,50 (-1,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,33
    -1,64 (-2,28%)
     
  • OURO

    1.763,00
    +11,60 (+0,66%)
     
  • BTC-USD

    43.763,48
    -3.821,22 (-8,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.093,91
    -40,47 (-3,57%)
     
  • S&P500

    4.327,24
    -105,75 (-2,39%)
     
  • DOW JONES

    33.768,82
    -816,06 (-2,36%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.901,25
    -424,75 (-2,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2800
    +0,0806 (+1,30%)
     

Novo Bolsa Família será criado em agosto, diz ministro

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA – A reestruturação dos programas sociais do governo federal será feita no início de agosto, com a publicação de uma medida provisória (MP). A nova ação — que vai abranger Bolsa Família, programa de aquisição de alimentos e microcrédito — passará a vigorar em novembro, quando os pagamentos do auxílio emergencial já terão sido encerrados.

Os ministros da Cidadania, João Roma, e Economia, Paulo Guedes, estiveram reunidos nesta quarta-feira para acertar detalhes do novo programa.

Por ora, os trabalhos estão concentrados na reformulação dos programas, mas Roma confirmou que a intenção é atender mais beneficiários, passando dos atuais 14,6 milhões do Bolsa Família para 17 milhões de famílias.

— Discutimos a finalização da reestruturação dos programas sociais do governo Bolsonaro, que nós pretendemos apresentar no início do mês de agosto através de uma medida provisória, buscando fortalecer a transferência de renda, ampliando a quantidade de beneficiários, mas tornando esses programas não apenas uma teia de proteção para a população em situação de vulnerabilidade como também propiciando novas ferramentas para que essas pessoas possam sim alcançar uma melhor qualidade de vida — disse Roma.

A expectativa de Roma é finalizar a MP até a segunda semana de agosto, que trará um programa unificando as ações que o governo já tem. No momento, a equipe trabalha na reestruturação das ferramentas de proteção social, e faz os acertos de operacionalização com outras áreas, como a Caixa Econômica e Dataprev.

De acordo com o ministro, a próxima etapa é a definição da parte econômica, como o ticket médio do programa. O objetivo é seguir a orientação do presidente Jair Bolsonaro, que mencionou aumento de 50% no valor, alcançando uma média de R$ 300.

— Pretendemos que esse valor seja o máximo possível, para que esse programa possa ser cada vez mais eficaz para a nossa população. O presidente falou de um aumento de cerca de 50% do valor. Nós pretendemos que chegue a isso e talvez até mais, mas tudo isso vai depender de entendimentos com a área econômica – afirmou Roma.

Atualmente, o valor médio do Bolsa Família está na casa dos R$ 190. Já o auxílio emergencial paga benefício médio de R$ 250, com bolsa de R$ 150, para quem mora sozinho, e de R$ 375 para mulheres chefes de família.

Questionado sobre o valor que terá disponível para a ampliação dos programas de transferência de renda, o ministro Paulo Guedes evitou falar sobre montantes, mas afirmou que os cálculos estão “extremamente responsáveis”:

— Todos os cálculos do programa social foram extremamente responsáveis, dentro da lei de responsabilidade fiscal e respeitando o teto (de gastos).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos