Mercado fechará em 1 h 41 min

Novas sanções dos EUA a empresas chinesas por repressão a uigures

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O secretário de Estado americano, Mike Pompeo
(Arquivo) O secretário de Estado americano, Mike Pompeo

Os Estados Unidos colocaram onze empresas chinesas em uma lista negra que limita seu acesso a tecnologia e produtos locais porque participam da perseguição à minoria étnica uigure, anunciou o Departamento de Comércio nesta segunda-feira.

Essas onze empresas "estão envolvidas em violações de direitos humanos ligadas à implementação da campanha de repressão, encarceramento em massa, trabalho forçado, coleta involuntária de dados biométricos e análises genéticas dirigidas a minorias muçulmanas na região autônoma uigur de Xinjiang", acusou o departamento em uma declaração.

Changji Esquel Textile, Hefei Bitland Information Technology, Hefei Meiling, Hetian Haolin Accessories, Hetian Taida Apparel, KTK Group, Nanjing Synergy Textiles, Nanchang O-Film Tech e Tanyuan Technology são adicionados a uma lista existente devido à sua participação na incorporação trabalho forçado, de acordo com o governo dos EUA.

As duas empresas restantes, Xinjiang Silk Road e Beijing Liuhe, estão listadas por causa de suas análises genéticas que "servem para reprimir uigures e outras minorias muçulmanas", apontou.

Os Estados Unidos, como outras nações ocidentais e várias organizações de direitos humanos, acusa a China de confinar pelo menos um milhão de muçulmanos na região.

Pequim nega todas as acusações.