Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.912,00
    -3,40 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    11.937,61
    +880,60 (+7,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.684,50
    +23,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    +0,0275 (+0,42%)
     

Novas imagens de Encélado revelam detalhes sobre sua superfície congelada

Daniele Cavalcante
·3 minutos de leitura

A missão da sonda Cassini foi encerrada em 2017, mas seus dados coletados na órbita de Saturno ainda proporcionam novas descobertas e estudos sobre o planeta e algumas de suas luas. Exemplo disso são as novas imagens de Encélado, o sexto maior satélite natural de Saturno.

Durante sua missão, a Cassini sobrevoou Encélado147 vezes, sendo que se aproximou bastante da lua gelada 23 vezes. Com isso, a sonda conseguiu usar o instrumento Visual and Infrared Mapping Spectrometer (VIMS) para coletar dados em infravermelho de Encélado, incluindo informações sobre a temperatura e composição da superfície, entre outros detalhes como os tamanhos dos grãos de gelo. Com esse conjunto de dados, a equipe conseguiu criar um verdadeiro mosaico espectral da superfície da lua.

Os três canais infravermelho do VIMS foram representados cada um por uma cor diferente: vermelho, verde e azul —, que por sua vez foram sobrepostas através do Imaging Science Subsystem, um sistema composto por uma câmera digital grande angular e outra de ângulo estreito. As câmeras ficavam a bordo da Cassini e eram sensíveis aos comprimentos de onda visíveis da luz e a alguns comprimentos de onda infravermelho e ultravioleta. Cada câmera tinha vários filtros montados em rodas para selecionar os comprimentos de onda a serem mostrados nas imagens.

(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/University of Arizona/LPG/CNRS/University of Nantes/Space Science Institute)
(Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/University of Arizona/LPG/CNRS/University of Nantes/Space Science Institute)

Como resultado, a equipe obteve esse mosaico de Encélado, que mostra imagens de visualizações infravermelhas diferentes, uma de cada lado da lua: o frontal, o lado voltado para Saturno, a face linha superior e os polos norte e sul. Foi usada ainda uma correção fotométrica para revelar detalhes da superfície que ainda não haviam sido visualizadas, permitindo observar como ela é composta quase totalmente por gelo de água — por isso Encélado é altamente reflexiva. Para entender melhor essa superfície brilhante, foi necessário aplicar a correção fotométrica, capaz de diferenciar detalhes como formatos de cada região e o ângulo em que a superfície é observada.

Graças às correções, os cientistas puderam revelar as variações na superfície, retratadas nas cores aplicadas nessas imagens. Isso pode ser observado em regiões conhecidas como Tiger Stripes no Polo Sul, que possui quatro grandes falhas tectônicas, que podem ser vistas nas linhas de intensa tonalidade vermelha. Já o tom avermelhado mais suave que vemos na primeira imagem, representa o gelo de água doce, que foi exposto recentemente.

Essa mesma técnica poderá ser usada pelos cientistas em outras luas geladas para compará-las com Encélado. Você pode conferir o mosaico completo em uma esfera 3D com a qual é possível interagir arrastando a imagem.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: