Mercado abrirá em 4 h 34 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,64
    +0,21 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.782,20
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    48.226,32
    -6.004,87 (-11,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.090,32
    -152,74 (-12,29%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.924,46
    -13,78 (-0,20%)
     
  • HANG SENG

    29.078,75
    +323,41 (+1,12%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.775,00
    +24,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Novas doses da vacina Sputnik chegam à Argentina

·1 minuto de leitura
(Fevereiro) Dose da vacina Sputnik V é preparada para a aplicação, em Ezeiza, arredores de Buenos Aires

Um carregamento de 330 mil doses da vacina Sputnik V, contra a Covid-19, chegou nesta sexta-feira à Argentina, enviado pela Rússia. O objetivo é avançar com o processo de imunização, que superou 3 milhões de doses aplicadas no país, de 44 milhões de habitantes.

Segundo a ministra da Saúde, Carla Vizzoti, o carregamento será distribuído entre as 24 províncias. A Argentina também aplica as vacinas Sinopharm e Covichield.

Após uma reunião de trabalho do Conselho Federal de Saúde (Cofesa), integrado por ministros provinciais, Carla ratificou a encomenda de 3 milhões de novas doses da vacina Sinopharm, cuja aquisição foi assinada na semana passada. "O objetivo é minimizar o impacto da mortalidade, o que se consegue vacinando as pessoas que correm mais risco de morrer", declarou a ministra, assinalando que se busca que "a maioria das pessoas receba a primeira dose o quanto antes, para reduzir a mortalidade".

Ante o forte aumento do número de casos na região e nos países vizinhos, e à "tendência de um aumento do número de casos" na Argentina, o governo argentino não recomenda viagens ao exterior que não sejam essenciais. "Não apenas pelo risco individual de adoecer, mas também pelo risco sanitário de trazer o vírus para o país e uma variante que possa causar mais complicações", advertiu a ministra.

A Argentina registrou hoje 8.160 novos casos e 113 mortos, superando 2,2 milhões de infectados e 54.476 óbitos no total.

ls/dg/lb