Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    18.991,30
    -208,12 (-1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Novas compras de títulos pelo BCE não devem atrapalhar o combate à inflação, diz vice-presidente

Luis de Guindos, vice-presidente do Banco Central Europeu

Por Jesús Aguado e Emma Pinedo

MADRI (Reuters) - A ferramenta do Banco Central Europeu para combater o aumento dos rendimentos da dívida governamental em alguns países da zona do euro não deve interferir no objetivo do banco de controlar a inflação, disse nesta quarta-feira o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos.

"Os instrumentos de fragmentação não devem interferir na abordagem geral da política monetária, que deve se concentrar no combate à inflação", disse De Guindos a um evento financeiro na Espanha.

Em uma reunião de emergência na semana passada, o Banco Central Europeu decidiu direcionar o reinvestimento dos títulos para ajudar países da região sul do bloco e conceber um novo instrumento para conter a divergência nos custos dos empréstimos.

De Guindos disse que a implementação de um instrumento específico para evitar a fragmentação "permitirá que a política monetária aja com mais força para reduzir a inflação em direção ao caminho definido pelo BCE" de uma meta de 2% a médio prazo.

O BCE sinalizou aumentos futuros dos juros para reduzir a inflação, que atingiu um recorde de 8,1% no mês passado na zona do euro.

No mesmo evento, a ministra espanhola da Economia, Nadia Calvino, disse que ela e seus colegas da UE não discutiram as condições de uma ferramenta antifragmentação na semana passada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos