Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,87
    -0,28 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.735,50
    -0,80 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    62.901,12
    -419,80 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,51
    -8,26 (-0,60%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.752,06
    -148,77 (-0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.712,28
    +91,29 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.803,25
    +4,50 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Novas cepas de bactérias na ISS podem ajudar no cultivo de plantas no espaço

Wyllian Torres
·2 minuto de leitura

O cultivo de plantas comestíveis já vem sendo realizado na Estação Espacial Internacional (ISS) há alguns anos, e cientistas procuram pela “ajudinha” extra de bactérias como combustível de crescimento em um ambiente tão extremo para a vida como é o espaço. Em recente descoberta a bordo da ISS, pesquisadores identificaram quatro cepas de bactérias pertencentes à família Methylobacteriaceae em diferentes locais da estação.

No estudo publicado no periódico científico Frontiers in Microbiology, pesquisadores da NASA descrevem a descoberta de quatro cepas, dentre elas uma é identificada como Methylorubrum rhodesianum, enquanto as outras três são espécies novas. São bactérias móveis, com formato de bastonete e foram chamadas IF7SW-B2T, IIF1SW-B5 e IIF4SW-B5. A análise genética indica que estão intimamente relacionadas com a espécie Methylobacterium indicum — envolvidas na fixação de nitrogênio, solubilização de fosfato, tolerância ao estresse abiótico, promoção do crescimento de plantas e atividade de biocontrole contra patógenos de plantas. Em homenagem ao renomado cientista indiano de biodiversidade, Dr. Ajmal Khan, a equipe propôs que a nova espécie seja batizada como Methylobacterium ajmalii.

Para os cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL), Dr. Kasthuri Venkateswaran e Dr. Nitin Kumar Singh, as cepas podem possuir um “determinantes genéticos biologicamente úteis” para a produção de safras no espaço. Entretanto, é necessária mais biologia experimental para provar que se trata de uma possível potência para a agricultura espacial. "Para cultivar plantas em locais extremos onde os recursos são mínimos, o isolamento de novos micróbios que ajudam a promover o crescimento das plantas em condições estressantes é essencial", acrescentam.

Alguns microbiomas onde bactérias são encontradas na Estação Espacial Internacional (Imagem: Reprodução/NASA)
Alguns microbiomas onde bactérias são encontradas na Estação Espacial Internacional (Imagem: Reprodução/NASA)

Diante de um cenário em que a NASA e outras empresas pretendem levar humanos para bem longe da Terra (e possivelmente além), o Conselho Nacional de Pesquisa (NRC) recomenda que a ISS seja usada como um “banco de ensaio para pesquisas de microorganismos''. Outras instituições participam dessas pesquisas, como University of Southern California, Cornell University e University of Hyderabad, na Índia. Venkat e Singh ressaltam que “uma vez que nosso grupo possui experiência em cultivar microorganismos de nichos extremos, fomos incumbidos pelo Programa de Biologia Espacial da NASA de pesquisar a ISS para a presença e persistência dos microorganismos”.

Centenas de amostras de bactérias na ISS já foram analisadas. Cerca de mil foram coletadas em diversos pontos da estação espacial, mas aguardam a viagem de retorno para a Terra para serem examinadas em laboratórios ainda melhor equipados. Os pesquisadores apontam ser necessário um sistema integrado de monitoramento microbiano que dê conta de coletar, processar e analisar amostras no espaço, através de tecnologias moleculares. Para eles, o objetivo final é contornar esse longo processo e, dessa maneira, encontrar novas cepas dentro da ISS.

Para maiores detalhes sobre o estudo, acesse a Frontiers in Microbiology.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: