Mercado fechará em 4 h 19 min
  • BOVESPA

    121.356,41
    -2.220,16 (-1,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.205,82
    -428,09 (-0,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,83
    -1,73 (-2,45%)
     
  • OURO

    1.810,80
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    39.275,71
    +984,23 (+2,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    968,15
    +41,38 (+4,47%)
     
  • S&P500

    4.402,95
    -20,20 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.820,17
    -296,23 (-0,84%)
     
  • FTSE

    7.126,91
    +21,19 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.029,25
    -17,00 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2038
    +0,0383 (+0,62%)
     

As novas bicicletas elétricas da Veloretti são high-tech, automáticas e lindas

·4 minuto de leitura
As novas bicicletas elétricas da Veloretti são high-tech, automáticas e lindas
As novas bicicletas elétricas da Veloretti são high-tech, automáticas e lindas

Mesmo considerada a capital mundial do ciclismo, não é muito frequente que uma nova marca notável de bicicletas elétricas surja em Amsterdã, na Holanda. A última vez foi quando a VanMoof lançou a Electrified S, em 2016. Logo, a mídia especializada está com grande expectativa com o surgimente das bikes Veloretti Ivy e Ace, que começam a ser produzidas em massa nesta segunda-feira (28).

“Estamos bastante entusiasmados com as e-bikes. É uma loucura”, comentou o fundador da marca, Ferry Zonder, ao site The Verge. Embora possa não parecer, Veloretti é totalmente holandesa, apenas com um toque italiana ao melhor estilo “chique retrô”. Basta olhar para o modelo Ivy (veja abaixo) com pneus brancos e punhos e selim que parecem de couro. No entanto, apesar da aparência vintage, os veículos da Veloretti são tão tecnológicos quanto podem ser.

As bicicletas elétricas da Veloretti Ivy (esquerda) e Ace (direita). Imagem: Veloretti/Divulgação
As bicicletas elétricas da Veloretti Ivy (esquerda) e Ace (direita). Imagem: Veloretti/Divulgação

Ambos são equipados com acionamento por correia de carbono livre de manutenção, câmbio automático Enviolo contínuo, motor Bafang silencioso de acionamento intermediário (250W), freios hidráulicos, iluminação dianteira e traseira integrada, uma pequena tela para navegação curva a curva e uma bateria removível de 510Wh que simplifica o carregamento após esgotar sua autonomia, que pode variar entre 60 a 120 km.

As bicicletas elétricas também vêm com sensores de torque, velocidade e cadência, assim como Bluetooth, GPS e conexão 3G e 4G. Toda essa tecnologia permite uma série de recursos avançados, como atualizações remotas, diagnóstico remoto de problemas, detecção de falhas e rastreamento ao vivo em caso de roubo – tudo isso em um aplicativo (app) exclusivo da Veloretti.

Zonder, um fã dos antigos ciclomotores Velocifero italianos (daí o nome da empresa), produziu sua primeira bicicleta urbana em 2013. Desde então, ele atraiu uma base de fãs entusiasmados de jovens urbanos atraídos pela mistura de estilo, qualidade e serviço da Veloretti para bicicletas que custam menos de €$ 400 (R$ 2351 na conversão direta, o que é considerado barato para uma nova bicicleta urbana holandesa). O modelo de vendas direto ao consumidor da nova marca permitiu que a empresa crescesse rapidamente. A empresa saltou de 15 para 38 funcionários após decidir entrar no ramo, e agora envia suas bicicletas urbanas para 27 países.

O fundador da Veloretti, Ferry Zonder e um protótipo de e-bike Ace em Amsterdã. Imagem: Thomas Ricker/The Verge
O fundador da Veloretti, Ferry Zonder e um protótipo de e-bike Ace em Amsterdã. Imagem: Thomas Ricker/The Verge

De acordo com review feita pelo The Verge, “o protótipo Ace parece ótimo com qualidade de construção sólida, enquanto o motor Bafang é verdadeiramente silencioso”. “O câmbio automático Enviolo pode ser um pouco barulhento. Também é necessário alguma prática para evitar a rotação livre na inicialização”, detalhou o jornalista Thomas Ricker, ao que Zonder respondeu que o firmware da bike está sendo ajustado e o app está sendo atualizado para dar aos pilotos mais controle sobre os limites de torque e outras minúcias.

Tanto os modelos Ivy quanto Ace estarão disponíveis inicialmente apenas na Holanda, Bélgica e Alemanha este ano, a fim de manter um controle de qualidade rigoroso. “Não queremos criar riscos em nossa cadeia de abastecimento e conhecemos muito bem esses mercados, para que possamos prestar um bom serviço a eles”, afirmou Zonder. “Não queremos arruinar a nossa reputação e a satisfação do cliente”. O fundador explicou que a marca tem atualmente uma taxa de falha de cerca de 0,8% em suas bicicletas urbanas, bem abaixo da taxa de 10% que outras empresas holandesas registram. Posteriormente, a Veloretti expandirá as vendas das e-bikes para “os países nórdicos e o Reino Unido”.

Leia mais:

Em um mercado de e-bike que amadurece rapidamente, a Veloretti não tem espaço para cometer erros, não com as novas e-bikes cotadas atualmente por € 2.399 (cerca de R$ 14 mil). O alto preço, de acordo com Zonder, se deve à disponibilidade limitada de peças, especialmente os microchips que as fabricantes de e-bike e veículos elétrico sm geral estão desesperadamente tentando garantir. O preço atual (com imposto incluído) será de aproximadamente de US$ 2.850 nos Estados Unidos (EUA), algo isso não deve acontecer antes de 2023.

Zonder ainda revelou que a empresa tem como meta vendas de cerca de 8 mil bikes este ano, antes de aumentar para 25 mil em 2022.

Fonte: The Verge

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos