Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.891,22
    +1.421,54 (+2,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Nova York e Londres lideram vacinação entre centros financeiros

Jinshan Hong
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As capitais financeiras mais afetadas pela Covid-19 aceleram a corrida para vacinar seus residentes.

Londres ultrapassou outros centros globais segundo a porcentagem de residentes vacinados com pelo menos uma dose, enquanto cidades asiáticas como Hong Kong e Tóquio, que registraram menos casos de Covid, estão muito atrás, segundo os dados mais recentes disponíveis dos governos de cada cidade em 24 de março.

A capital do Reino Unido vacinou aproximadamente 2,9 milhões de pessoas - cerca de 30% da população - com uma dose. A proporção se compara com 23% dos residentes que receberam a primeira dose na cidade de Nova York, 13% em Cingapura e 12% em Paris.

A taxa mais alta de Londres foi impulsionada em parte pela estratégia de usar todo o estoque inicial de vacinas para as primeiras doses e esperar por mais lotes antes da segunda injeção.

No entanto, a cidade de Nova York supera Londres em outra métrica importante: imunizou totalmente mais pessoas, completando o regime de vacinação para 11% da população em comparação com apenas 2,3% dos residentes de Londres. Nova York começou a administrar a vacina de dose única da Johnson & Johnson no início deste mês.

A corrida da vacina é de particular importância em centros financeiros globais competitivos, que dependem do fluxo de capital e talentos internacionais, e vacinar uma grande parcela da população é a única maneira de retomar a normalidade.

Enquanto muitos epicentros da pandemia, como EUA e Reino Unido, buscam vacinar as pessoas o mais rápido possível, governos da Ásia-Pacífico e de algumas partes da Europa enfrentam hesitação generalizada após relatos de efeitos colaterais graves e mortes. Em Hong Kong, apenas 5,3% da população compareceu para se vacinar. A ex-colônia britânica também suspendeu temporariamente a vacina Pfizer-BioNTech após identificar defeitos na embalagem.

Xangai, centro financeiro da China onde a pandemia foi em grande parte controlada, vacinou 6,2% da população com pelo menos uma dose. A porcentagem mais baixa é explicada pelo tamanho da população de Xangai, de mais de 24 milhões de habitantes, que supera a de Londres, Paris e Nova York. A China disse que pretende vacinar 40% da população antes do final de junho.

Em Tóquio, os números refletem o fato de que o Japão ainda não começou a vacinação em massa, mesmo quando a cidade se prepara para sediar a Olimpíada adiada por causa da Covid. O Japão atualmente limita a vacinação a profissionais de saúde e planeja vacinar o público em geral, começando com pessoas com 65 anos ou mais, em meados de abril. Até o momento, menos de 1% da população do país recebeu a primeira dose.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.