Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.031,56
    +473,89 (+0,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.014,56
    +96,28 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,59
    +0,54 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.784,80
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    50.809,21
    +75,84 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.324,95
    +19,84 (+1,52%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.379,25
    +61,25 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2820
    -0,0577 (-0,91%)
     

Nova vacina contra covid desencadeia forte resposta imune em ensaios de fase I

·2 min de leitura

Muito se questiona acerca de quanto tempo dura a imunidade desencadeada pelas vacinas contra a covid-19, mas nesta quarta-feira (24), a revista científica Nature publicou os primeiros resultados dos testes de uma vacina que visa justamente fornecer uma imunidade de longa duração. Trata-se da CoVac-1, de dose única.

O imunizante passou em seu primeiro teste em humanos, provando ser seguro e eficaz, levando a uma resposta imune com duração de pelo menos três meses e superando a imunidade natural ou vacinas alternativas. Os pesquisadores ressaltam que a CoVac-1 induziu células imunes em 100% dos participantes dos testes, 28 dias após a vacinação. A resposta das células também não foi afetada pelas variantes Alfa, Beta, Delta ou Gama.

Imunidade de longa duração

CoVac-1 oferece imunidade de três meses (Imagem: kjpargeter/Freepik)
CoVac-1 oferece imunidade de três meses (Imagem: kjpargeter/Freepik)

Conforme o estudo ressalta, a imunidade das células T (que são justamente responsáveis pelas respostas antivirais) é o principal objetivo do desenvolvimento da vacina, considerando que as células T são a chave para uma proteção duradoura. Elas atacam as células infectadas e estimulam a produção de anticorpos. Após a infecção, algumas células T permanecem prontas para entrar em ação se o corpo encontrar o mesmo patógeno novamente.

Para verificar a imunidade de longa duração, a equipe aplicou a vacina em 36 participantes com idades entre 18 e 80 anos, sem resposta pré-existente de células T ao SARS-CoV-2. Após uma avaliação inicial no primeiro dia, os pesquisadores continuaram a medir a resposta das células T dos participantes após sete, 14, 28 e 56 dias, com uma avaliação final na marca de três meses. Agora, a vacina passa por um ensaio clínico de fase II para testar a eficácia em pessoas com deficiência de anticorpos, ou imunossuprimidas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos