Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.602,02
    +1.027,86 (+3,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Nova Terra: Nasa identifica mais exoplanetas em sistemas estelares binários

·1 minuto de leitura
Nova Terra: Nasa identifica mais exoplanetas em sistemas estelares binários
Nova Terra: Nasa identifica mais exoplanetas em sistemas estelares binários

Pesquisadores da Nasa, a agência espacial norte-americana, acreditam ser possível que sistemas estelares binários atrapalhem a observação de exoplanetas semelhantes à Terra.

De acordo com uma equipe de cientistas do Transiting Exoplanet Survey Satellite, ou Tess, a análise de pontos de luz captados pelo satélite indica que algumas das estrelas em potencial na amostra eram na verdade sistemas estelares binários, ou seja, que possuem dois sóis.

O estudo descobriu que os pares estelares podem esconder vários exoplanetas, o que significa que mundos rochosos do tamanho de nossa casa planetária podem não só estar ocultos da vista de todos, mas existir em maior número do que se pensava.

O Tess caça exoplanetas ao redor de estrelas próximas observando as quedas de luz causadas quando um planeta transita ou passa na frente de uma estrela.

Segundo a Nasa, desde o lançamento do satélite, em abril de 2018, os astrônomos identificaram positivamente mais de 100 exoplanetas anteriormente desconhecidos e mais de 2 mil e 600 candidatos que aguardam confirmação.

Mas, a nova pesquisa sugere que pode haver muito mais exoplanetas perdidos no brilho das duas estrelas-mãe.

Assim, se confirma o que muitos astrônomos suspeitavam: o brilho de uma segunda estrela preenche a luz que, de outra forma, seria bloqueada por um pequeno planeta parecido com a Terra.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos