Mercado fechado

Nova técnica de disco óptico pode reviver CDs e oferecer 500 TB de armazenamento

·2 min de leitura

Se você for um pouco mais velho, pode ter vivido a época em que era relativamente comum armazenar dados em CDs e DVDs — antes dos pen-drive ficarem tão populares. Hoje em dia, serviços em nuvem substituem com eficiência esses dispositivos, mas uma descoberta científica pode trazer, mais uma vez, valor para a mídia física.

Na Universidade de Southampton, o pesquisador e doutor Yuhao Lei mostrou um novo método de gravação de dados que envolve discos em vidro de sílica. No formato e tamanho de um DVD, ele mostrou ser possível armazenar arquivos através da tecnologia laser combinada com um novo processo de cinco camadas de sobrescrita. Isso permitiu o alcance de uma densidade extrema para os “blocos” de registro, resultado em uma capacidade absurda de armazenamento.

(Imagem: Phil Hearing/Unsplash)
(Imagem: Phil Hearing/Unsplash)

Falamos de algo na casa dos 500 TB, e em um processo que, nos testes iniciais, se mostrou efetivo para recuperação dos dados. Yuhao conseguiu gravar 5 GB de informações em um disco, lidos posteriormente com 100% de eficácia — ou seja, sem perdas. Dessa forma, a pesquisa pretende mostrar que, além de viável, o método para armazenamento de dados de alta densidade pode se mostrar particularmente útil em escala industrial, para servidores, e para preservação histórica de arquivos — atendendo a museus, bibliotecas, e outras instituições interessadas em preservação histórica.

Velocidade de transferência ainda é baixa

Um desafio, no momento, é a velocidade dessa gravação: o método consegue gravar um milhão de voxels por segundo no disco de vidro de sílica — mas isso não é muito: falamos de cerca de 230 KB de dados. Se os discos forem projetados mesmo para meio petabyte de informação, essa velocidade não é nada promissora. Mas os pesquisadores envolvidos acreditam que seja possível trabalhar com gravação paralela — dobrando, triplicando, ou multiplicando bem mais os números atuais.

Além do mais, o pesquisador assume que, no momento, sua tecnologia só foi aplicada de forma genérica. Ou seja, talvez não seja necessário que o formato do dispositivo de dados seja mesmo um disco. Para ele, o mais explorável da descoberta é o procedimento de nanoestruturação rápida através de laser óptico 3D microfluídico — que permite que outras espécies de componentes de vidro possam ser usadas como hardware no futuro.

Em estudos iniciais, mais informações sobre o projeto foram dadas em uma revista científica americana. Por isso, é muito cedo para especularmos sobre a viabilidade doméstica do equipamento físico. Assim, o consumidor final não deve ver novidades no curto ou médio prazo — mas quem sabe se beneficiar disso no futuro, com a aplicação em servidores em nuvem e outras espécies de serviços digitais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos