Mercado abrirá em 8 h 49 min

Nova safra de café do Brasil deve recuar entre 14% e 21%, diz Itaú BBA

Por Marcelo Teixeira
·2 minuto de leitura
Colheita de café em São João da Boa Vista (SP)
Colheita de café em São João da Boa Vista (SP)

Por Marcelo Teixeira

NOVA YORK (Reuters) - A safra de café do Brasil, maior produtor e exportador global da commodity, deve recuar entre 14% e 21% na próxima temporada (2021/22), em função de chuvas inferiores à média e do ano de baixa no ciclo bienal de produção do grão arábica, disse o banco de investimentos Itaú BBA nesta quinta-feira.

A equipe de pesquisas agrícolas do banco vê a produção de café do Brasil em um intervalo de 53,6 milhões a 58,3 milhões de sacas de 60 kg em 2021/22 (julho-junho), ante 67,9 milhões de sacas projetadas pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) para a atual temporada.

A produção de café arábica do país, que compõe a maior parte da safra, entrará na próxima temporada em um ano de baixa de seu ciclo bienal, que alterna anos de alta e baixa produtividades.

Além disso, as condições climáticas para o desenvolvimento da safra são adversas, com chuvas abaixo da média e temperaturas acima da média, acrescentou o banco.

Com a queda esperada na produção brasileira, o banco projeta que o balanço de oferta no mercado global de café passe de um excedente de 9,8 milhões de sacas em 2020/21 para um déficit de 1,7 milhão de sacas a 6,5 milhão de sacas em 2021/22.

Os analistas do Itaú BBA chamaram atenção para a grande quantidade de café vendida antecipadamente por produtores brasileiros em meio à desvalorização do real frente ao dólar, destacando perspectivas de dificuldades para que alguns deles cumpram os acordos.

"Alguns produtores podem ter vendido café demais para entrega em 2021, e podem ser surpreendidos pela queda dos rendimentos agrícolas", disse o banco no relatório.

Os preços do café arábica operavam em alta de cerca de 3% em Nova York nesta quinta-feira.