Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.507,74
    +263,79 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Nova rodada de auxílio emergencial vai suspender regras fiscais

Martha Beck
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Brasil vai flexibilizar regras fiscais pelo segundo ano consecutivo para pagar uma nova rodada de auxílio emergencial, à medida que uma segunda onda da Covid-19 se espalha pelo país.

A proposta de emenda constitucional (PEC) que será votada no Senado na próxima quinta-feira trará uma cláusula de calamidade que permite ao governo federal pagar o auxílio fora do teto de gastos, da meta fiscal e da regra de ouro, disse um integrante da equipe econômica com conhecimento do assunto.

A contrapartida para isso será a aprovação de um protocolo de crise que vincule gastos emergenciais futuros a medidas de austeridade, como congelamento de salários de servidores e desindexação de orçamento público, disse a pessoa, que pediu para não ser identificada porque as discussões não são públicas.

Embora as medidas de austeridade não valham para 2021, o ministro da Economia, Paulo Guedes, ficou satisfeito com o texto, chamado agora pela equipe econômica de novo marco fiscal. Isso porque o protocolo de crise será um sinal de austeridade para os mercados financeiros, disse a fonte, adicionando que Guedes considera a PEC como um termômetro para a política econômica e sua situação no cargo, disse a fonte.

Mais ajuda emergencial vai custar aos cofres públicos cerca de R$ 30 bilhões e vai aumentar a dívida bruta de 89,3% para 89,6% do PIB, segundo a fonte.

O presidente Jair Bolsonaro e Guedes trabalham com um programa que pague no máximo R$ 250 por quatro meses para 40 milhões de pessoas a partir de março. Mas o Ministério da Economia sabe que sempre existe a chance de os parlamentares aumentarem o valor, como aconteceu em 2020, quando o programa começou em R$ 300 e terminou em R$ 600 reais, custando um total de R$ 321 bilhões.

Por causa disso, o governo também quer que a PEC dê ao Executivo a palavra final sobre o tamanho e o escopo de futuras ajudas emergenciais.

O novo programa poderia começar a ser pago antes mesmo da PEC ser aprovada pelas duas casas no Congresso, disse a pessoa. Mas o ministro da Economia não trabalha com a possibilidade de futuras contrapartidas não serem aprovadas, segundo a fonte, especialmente porque os novos presidentes do Senado e da Câmara foram eleitos com o apoio do presidente Jair Bolsonaro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.