Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.057,55
    +1.409,84 (+2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7806
    -0,0053 (-0,08%)
     

Nova rodada de auxílio corre risco de acabar fora do teto

Martha Beck, Rachel Gamarski e Simone Iglesias
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Uma nova rodada de auxílio emergencial para aliviar os efeitos da pandemia corre o risco de ficar fora da regra do teto de gastos, afirmam três integrantes da equipe econômica sob condição de anonimato porque as discussões não são públicas.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vem tentando proteger a regra fiscal ao propor a aprovação da PEC Emergencial, que permite ao governo reduzir gastos em caso de crise financeira.

Mas primeiro, deputados e senadores ainda precisam votar o Orçamento de 2021, o que não deve acontecer até meados de março. A instalação da Comissão Mista do Orçamento que vai analisar a proposta está prevista para esta quarta-feira.

A dívida pública elevada e o déficit recorde tornam difícil para o Brasil fazer qualquer tipo de ajuste orçamentário. Mesmo excluída da regra do teto, por exemplo, uma nova rodada de ajuda financeira exigirá a mudança da meta fiscal de 2021, disseram as pessoas.

Outra solução seria usar uma cláusula de calamidade que liberasse o governo de qualquer regra fiscal. Essa ferramenta foi usada em 2020 para permitir que o Brasil gastasse mais de R$ 600 bilhões contra a pandemia, incluindo o pagamento de parcelas mensais a trabalhadores informais afetados por medidas de distanciamento social.

O problema dessa opção, dizem os técnicos, é o Tribunal de Contas da União, que pode não aceitá-la como argumento para despesas sem mudança na meta fiscal.

Sob pressão

O presidente Jair Bolsonaro está sob forte pressão para agir rapidamente diante do aumento do número de casos de Covid-19 no país, onde o vírus matou mais de 233.000 pessoas. O problema é que o estímulo fiscal nos últimos anos, especialmente em 2020 para combater a pandemia, não deixou espaço no orçamento para mais gastos.

Qualquer ajuda dentro do teto imporá restrições a outros programas públicos e exigirá negociações com o Congresso que podem levar várias semanas.

Guedes insiste que o Brasil tem que construir um programa social estruturante, que crie uma rampa de ascensão social, o que só é possível com uma ampla reforma fiscal.

Apesar do agravamento da pandemia, ele diz que a economia mostra uma recuperação em V e que medidas como ajuda emergencial não seriam necessárias novamente porque lockdowns que cortaram a fonte de renda de muitos trabalhadores informais no ano passado não estão mais em vigor.

Privadamente, o ministro argumenta que um novo auxílio seria com valores mais baixos -- as discussões rondam em torno de R$ 200,00 por mês -- e insuficiente para manter as pessoas em casa. O custo para os cofres públicos somaria R$ 6 bilhões por mês, e as conversas iniciais apontam para uma duração de três meses.

Também há preocupação na equipe econômica de que o governo pode acabar sem espaço fiscal se a pandemia continuar piorando no Brasil, segundo as pessoas.

O Ministério da Economia não comentou.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.