Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,41
    -0,56 (-0,78%)
     
  • OURO

    1.750,80
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    47.205,57
    -639,23 (-1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.180,58
    -44,95 (-3,67%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.317,28
    -603,48 (-2,42%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.294,00
    -32,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0086 (-0,14%)
     

Nova política de privacidade do WhatsApp terá ajustes específicos para o Brasil

·3 minuto de leitura

Nesta terça-feira (24), o WhatsApp anunciou que atenderá às solicitações de autoridades brasileiras para alterar a Política de Privacidade do mensageiro para então implementá-la para usuários do país. Ao longo de três meses, a companhia trabalhou em conjunto com autoridades nacionais para ajustar o documento e melhor adequá-lo à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Em nova nota técnica publicada pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), o WhatsApp se mostrou comprometido a atender exigências e, com isso, a plataforma tornará mais transparente o Aviso de Privacidade destinado aos usuários brasileiros e aplicará regras semelhantes ao que já faz na União Europeia.

O contrato que rege a relação entre utilizadores e o mensageiro também será atualizado para portadores de contas WhatsApp Business. Além disso, o mensageiro enviará relatórios de impacto e de outros documentos para a ANPD (responsável por supervisionar o cumprimento da LGPD) e, para usuários, promoverá campanhas educativas que ensinarão como utilizar o app com mais segurança.

Até o dia 31 de agosto deste ano, o WhatsApp deverá apresentar aos órgãos nacionais os efeitos das mudanças na Política de Privacidade. Depois disso, a companhia fará uma nova reunião com as quatro entidades envolvidas — ANPD, Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Ministério Público Federal (MPF) e Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) — para analisar os pontos e decidir as próximas etapas.

Relembre as políticas de privacidade

Entre o fim de 2020 e o início de 2021, o WhatsApp chacoalhou sua presença no Brasil com a implementação de alterações na sua Política de Privacidade. No documento, a plataforma abria espaço para trocar informações de usuários com o Facebook.

Na época, a empresa havia determinado que usuários que não aceitassem os termos até 8 de fevereiro teriam sua conta “congelada”. O acordo nebuloso, o prazo apertado e o ultimato, então, colocaram o WhatsApp na mira de autoridades e em uma onda de polêmicas.

Órgãos nacionais se manifestaram contra a alteração e, mais perto da data, o mensageiro adiou a data limite para 15 de maio, enquanto aproveitaria o tempo extra para esclarecer pontos da nova política para autoridades locais e utilizadores do app.

O mês de maio chegou, mas devido às pendências com entidades brasileiras, a companhia optou por adiar novamente o prazo de início da sua nova política de privacidade — desta vez, para 13 de agosto. Nesse meio tempo, a plataforma não penalizaria nenhum usuário que ainda não tivesse concordado com o contrato.

O que significa para os usuários?

Por enquanto, nada muda para quem utiliza o WhatsApp. A companhia segue em fase de elaboração das alterações dos termos e só depois deve divulgar detalhes sobre a sua implementação. Agora, a companhia está mais perto de colocar o novo contrato em ação, já que os pontos demandados pelas autoridades brasileiras serão atendidos.

"O WhatsApp vê como positiva a oportunidade de esclarecer informações a respeito da atualização de sua política de privacidade e reitera que está em constante contato com os órgãos competentes. A empresa reforça sua disponibilidade para cooperação com as autoridades brasileiras e seguirá prestando as informações necessárias tanto para as autoridades quanto para seus usuários”, comentou o mensageiro em nota enviada ao Canaltech.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos