Mercado fechará em 6 horas 1 minuto
  • BOVESPA

    111.878,53
    +478,62 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,88
    -0,40 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.843,60
    +13,40 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    19.305,64
    +356,38 (+1,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,31
    +14,40 (+3,94%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.466,72
    +3,33 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.485,75
    +31,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3321
    +0,0123 (+0,19%)
     

Nova onda de Covid vai atrapalhar recuperação da zona do euro em 2021, diz Comissão Europeia

Por Jan Strupczewski
·2 minuto de leitura
Mercado central em Atenas
Mercado central em Atenas

Por Jan Strupczewski

BRUXELAS (Reuters) - A zona do euro se recuperará em 2021 da recessão inédita causada pelo coronavírus neste ano, mas a recuperação será menor do que se esperava por causa da segunda onda de infecções, apontou uma previsão da Comissão Europeia nesta quinta-feira.

Em suas previsões econômicas de rotina para as 27 nações da União Europeia e os 19 países que compartilham o euro, o Executivo da UE alertou, entretanto, que a incerteza das previsões é excepcionalmente alta.

Ele reduziu a previsão de crescimento da zona do euro no ano que vem dos 6,1% estimados em julho para 4,2%, e viu um crescimento de 3% em 2022 na esteira da recessão inédita de 7,8% deste ano.

A Comissão Europeia disse que sua previsão supôs que as restrições relacionadas à Covid permanecerão em certa medida até 2022, mas que serão suavizadas gradualmente no ano que vem e que seu impacto econômico diminuirá ao longo do tempo.

A previsão também faz a suposição técnica de que não haverá um acordo comercial entre a UE e o Reino Unido em vigor em 1º de janeiro de 2021, quando o atual período de transição terminar, e que o comércio se baseará nos termos da Organização Mundial do Comércio (OMC).

SEGUNDA ONDA NO 4º TRIMESTRE

A Comissão Europeia acredita que a economia da zona do euro contrairá 0,1% no último trimestre na comparação com os três meses anteriores devido às novas restrições adotadas para conter a segunda onda da pandemia.

Irlanda, França e Bélgica devem ser as mais atingidas pela segunda onda da Covid-19: a economia irlandesa deve contrair 1,1% na comparação trimestral, a francesa 1% e a belga 0,7%.

Mas a Alemanha, a maior economia do bloco, deve resistir bem à tormenta, registrando uma expansão de 0,6% nos últimos três meses do ano sobre o período anterior, segundo a Comissão.

A inflação da zona do euro, que o Banco Central Europeu quer manter abaixo, mas próximo dos 2% no médio prazo, deve permanecer em 0,3% neste ano, aumentando para 1,1% em 2021 e 1,3% em 2022.

Graças aos esquemas governamentais de trabalho reduzido adotados no início da pandemia, o desemprego da zona do euro deve passar dos 7,5% de 2019 para somente 8,3% neste ano, apesar da recessão profunda – mas a taxa deve subir para 9,3% em 2021 e voltar a cair para 8,9% em 2022.

Mas a Comissão prevê que a pandemia abalará as finanças públicas – o déficit orçamentário agregado da zona do euro subirá para 8,8% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.