Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +0,45 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.817,30
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    43.184,39
    -52,17 (-0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +21,00 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3181
    -0,0147 (-0,23%)
     

Nova ministra promete combater extremismo de direita na Alemanha

·1 min de leitura

A nova coalizão de governo alemã iniciará seus trabalhos nesta quarta-feira (8), depois que o Parlamento aprovar a nomeação do social-democrata Olaf Scholz como novo chanceler, sucedendo a Angela Merkel, que passou 16 anos à frente do país. Entre os nomes anunciados para a nova equipe, a advogada Nancy Faeser se tornará a primeira mulher a liderar o Ministério do Interior. Ela promete combater o extremismo de direita, apontado como a maior ameaça para a Alemanha.

Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

Um acordo tripartite para uma nova coalizão de governo alemã superou seu obstáculo final nesta segunda-feira (6), depois que os integrantes do Partido Verde aprovaram por 86% a aliança concluída no mês passado com liberais e social-democratas. Os outros dois partidos já tinham dado o seu aval em convenções que ocorreram no último fim de semana.

A decisão abre caminho para a eleição de Scholz como novo chanceler. O social-democrata, que é ministro das Finanças e vice-chanceler de Merkel, precisa do apoio de pelo menos 369 dos 736 membros na Câmara Baixa do Bundestag, o Parlamento alemão. Os três parceiros da coalizão – verdes, liberais e social-democratas – têm 416 assentos, o que assegura uma maioria confortável.

Poucas horas antes da decisão dos verdes, Scholz apresentou os indicados de seu partido que ainda faltavam ser anunciados para o novo gabinete. Metade das 16 pastas é ocupada por mulheres. Elas lideram oito ministérios, o que é um recorde histórico de participação feminina em um governo alemão.


Leia mais

Leia também:
Alemanha decreta lockdown parcial para não vacinados e flerta com vacina obrigatória para 2022
Alemanha cogita tornar vacinação anticovid obrigatória para toda a população
Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos