Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,39
    +0,24 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.812,30
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,48
    +54,71 (+5,90%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.501,67
    +75,12 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    27.639,76
    +55,68 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    15.097,25
    +23,75 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1158
    -0,0025 (-0,04%)
     

Nova lei autoriza indústrias veterinárias a produzirem vacinas da COVID-19

·1 minuto de leitura

Nesta sexta-feira (16), uma nova lei que regula a produção de vacinas contra a COVID-19 e do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) foi publicada no Diário Oficial da União. Sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, a Lei nº 14.187, de 15 de julho de 2021, autoriza que estabelecimentos fabricantes de imunizantes veterinários possam, agora, produzir para humanos, desde que cumpram todas as normas sanitárias e as exigências de biossegurança.

Voltada para imunizantes contra o coronavírus SARS-CoV-2, a lei prevê que todas as fases relacionadas à produção, ao envasamento, à etiquetagem, à embalagem e ao armazenamento de vacinas para uso humano deverão ser realizadas em dependências fisicamente separadas daquelas utilizadas para a fabricação de produtos destinados a uso veterinário.

Com nova lei, indústria veterinária poderá produzir vacinas (Imagem: Reprodução/Ssp48/Envato Elements)
Com nova lei, indústria veterinária poderá produzir vacinas (Imagem: Reprodução/Ssp48/Envato Elements)

Segundo o texto aprovado para a produção de vacinas contra a COVID-19 em fábricas veterinárias, quando não houver ambientes separados para que o armazenamento seja feito, estes imunizantes poderão ser armazenados na mesma área de armazenagem das vacinas de uso veterinário. No entanto, será necessária avaliação e anuência prévias da autoridade sanitária federal. Também é necessário que existam formas de identificar e diferenciar os produtos.

Na lei, foi vetado um artigo no qual se estabelecia que o Executivo poderia prever incentivo fiscal destinado às pessoas jurídicas que adaptassem suas estruturas industriais destinadas originalmente à fabricação de produtos de uso veterinário para a produção de vacinas contra a COVID-19.

Para acessar a lei completa, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos