Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,32
    +0,18 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.889,70
    +4,90 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    23.335,67
    +495,32 (+2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,90
    +12,95 (+2,46%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.283,90
    -14,80 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.497,12
    -188,35 (-0,68%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -17,75 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5782
    +0,0011 (+0,02%)
     

Nova jiboia-anã com pélvis vestigial é descoberta na Amazônia equatoriana

A Amazônia equatoriana presenteou cientistas com uma nova descoberta na biologia, uma jiboia-anã com incríveis resquícios evolutivos — uma pélvis vestigial, de quando a espécie deixava para trás as patas para priorizar escorregar por aí. Ela foi nomeada Tropidophis cacuangoae, uma homenagem à ativista pelos direitos dos indígenas no Equador Dolores Cacuango.

A nova jiboia-anã chega a até 20 cm de comprimento, com cores e padrões semelhantes aos de uma jiboia comum. Dois espécimes foram coletados para estudo: um vindo da reserva nacional Colonso Chalupas, da província de Napo, e outro da reserva privada Sumak Kawsay, de Pastaza.

Vista lateral da nova espécie de jiboia-anã, a cobra com vestígios de pélvis (Imagem: Ortega-Andrade et al./European Journal of Taxonomy)
Vista lateral da nova espécie de jiboia-anã, a cobra com vestígios de pélvis (Imagem: Ortega-Andrade et al./European Journal of Taxonomy)

Pélvis nas cobras?

O aspecto mais marcante da nova espécie de serpente não poderia ser outro: a pélvis vestigial estava presente no exemplar macho, algo que a ciência havia visto em serpentes primitivas. A característica evidencia a redução das extremidades em répteis escamosos, que ocorreu há alguns milhões de anos e é atribuída às pressões climáticas do período Quaternário, iniciado há 2,58 milhões de anos e dura até os dias de hoje.

Para chegar à descoberta da nova espécie, houve a colaboração de cientistas equatorianos (Mario Ortega), norte-americanos (Alexander Bentley), brasileiros (Omar Machado Entiauspe Neto) e alemães (Claudia Koch) por 4 anos. Segundo o Ministério do Meio Ambiente do Equador e os pesquisadores, a T. cacuangoae aumenta o número de espécies do gênero Tropidophis para 6. Ela é única à América do Sul, aparecendo no Equador, Peru e Brasil.

Nos raios-x da jiboia-anã T. cauangoae, é possível ver os resquícios da pélvis — presente apenas no indivíduo macho, à esquerda (Imagem: Ortega-Andrade et al./European Journal of Taxonomy)
Nos raios-x da jiboia-anã T. cauangoae, é possível ver os resquícios da pélvis — presente apenas no indivíduo macho, à esquerda (Imagem: Ortega-Andrade et al./European Journal of Taxonomy)

Além do conhecimento científico, o encontro da jiboia-anã acende uma esperança para os cientistas e conservacionistas do Equador, que esperam a geração de mais recursos para a conservação do habitat das serpentes e de outros animais. Ela representa mais um argumento para pleitear a manutenção e aumento de áreas protegidas no país.

A classificação do animal o descreve como endêmico ao Equador, ou seja, que existe apenas neste país. Seu habitat é caracterizado pelas florestas de altitude, áreas chuvosas, com muita umidade e neblina. Um estudo descrevendo completamente os traços da T. cacuangoae foi publicado na revista científica European Journal of Anatomy.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: