Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,30
    +0,54 (+0,64%)
     
  • OURO

    1.796,50
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    61.955,18
    +912,03 (+1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,43 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.647,38
    -157,47 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.330,75
    -10,25 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5789
    -0,0019 (-0,03%)
     

Nova geração de naves da China poderá comportar 4 astronautas em missões lunares

·2 minuto de leitura

Em dezembro do ano passado, a missão Chang’e 5, da China, trouxe para a Terra as primeiras amostras da Lua que obtemos desde 1976. O material foi exposto no salão de exposições da Administração Espacial Nacional da exposição Airshow, um evento realizado pela Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China e da Ciência e Indústria Aeroespacial. O evento contou com exposições de produtos e tecnologias aeroespaciais, incluindo um módulo de retorno e módulo de pouso de naves tripuladas da próxima geração, que estão em desenvolvimento.

Havia uma multidão em frente ao estande de exposição para conferir a nova geração de naves tripuladas do país. Assim, o módulo de retorno e o sistema de aterrissagem das novas naves tripuladas foram apresentados por funcionários da China Aeroespacial Science and Technology. Repórteres que estiveram no evento descreveram que a cabine de retorno da nave tem estrutura aerodinâmica em forma de um cone invertido, algo bem diferente da forma de sino das naves Shenzhou, usadas nas missões tripuladas atuais da China.

A cápsula com as amostras da Lua em seu interior; parte do material está exposta no evento (Imagem: Reprodução/Our Space/ Wang Jiangbo)
A cápsula com as amostras da Lua em seu interior; parte do material está exposta no evento (Imagem: Reprodução/Our Space/ Wang Jiangbo)

Esse novo perfil aerodinâmico tem a vantagem de usar a resistência do ar para ajudar na desaceleração da nave durante o retorno em alta velocidade, o que permite também um pouso mais suave e preciso. “Tem as mesmas qualidades de alta confiabilidade e segurança que as da série ‘Shenzhou’, de naves tripuladas e, mais importante ainda, será reutilizável”, explicaram os funcionários.

Essa cabine de retorno da nave tripulada de testes tem uma estrutura de camadas duplas, que separa a estrutura metálica, equivalente ao “cockpit”, daquela resistente ao calor que reveste a cápsula de retorno para protegê-la do calor da reentrada na atmosfera terrestre. A cabine de retorno dos astronautas pesa 7 toneladas, massa semelhante àquela das naves Shenzhou, e a nave pode comportar até 7 astronautas a bordo para missões na órbita da Terra ou 4 para missões na Lua. Por ter espaço amplo, a nave conta com refeitórios independentes, áreas sanitárias e de entretenimento para a tripulação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos