Mercado abrirá em 6 h 27 min
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,68
    +2,53 (+3,71%)
     
  • OURO

    1.797,20
    +9,10 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    57.341,83
    +3.047,70 (+5,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.432,09
    -23,32 (-1,60%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    23.833,57
    -246,95 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    28.355,85
    -395,77 (-1,38%)
     
  • NASDAQ

    16.202,00
    +151,00 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2994
    -0,0491 (-0,77%)
     

Nova espécie de figueira é descoberta em região desértica da Austrália

·3 min de leitura

Não é todo dia que um novo tipo de planta é descoberta, ainda mais em ambientes tão hostis, quanto uma região desértica do centro da Austrália. Mas um grupo de pesquisadores da New South Wales realizou esta façanha. Eles descobriram uma espécie vegetal na grande rocha Uluru, ao norte do país, que, até então, pensava-se ser a subcategoria de uma figueira já conhecida e comum por lá. Para surpresa da equipe, era uma espécie distinta de todas as outras.

A nova espécie foi cientificamente nomeada como Ficus desertorum, um figo do deserto, que há muito tempo os pesquisadores acreditavam pertencer à subcategoria de uma variedade encontrada ao norte e ao centro da Austrália, a Ficus brachypoda. Uma análise mais atenciosa logo notou que a figueira se destacava por seu habitat e seu formato. Por exemplo, suas folhas são mais lisas, estreitas e grossas em comparação aos outros tipos de figueira.

<em>Ficus desertorum </em>ou figo do deserto encontrado na rocha Uluru (Imagem: Reprodução/Australian Institute of Botanical Science)
Ficus desertorum ou figo do deserto encontrado na rocha Uluru (Imagem: Reprodução/Australian Institute of Botanical Science)

O botânico Russel Barrett, do Herbário Nacional da New South Wales e coautor da pesquisa, disse que as coleções em herbários por toda a Austrália, além das referências de espécies históricas da Europa, permitiram concluir que a figueira localizada na região central do país era morfologicamente distinta das demais espécies. Devido à riqueza de palavras usadas pelos povos originários australianos, o nome científico foi definido como padrão.

A Ficus desertorum também é encontrada em outras partes mais elevadas do país, como o grupo de formações rochosas Kata Tijuta e Devils Marbles. Ela também aparece em diversos afloramentos de rocha ou próxima a buracos de água, onde suas folhas e galhos servem de abrigos para pequenos pássaros e caramujos. "Uma nova espécie para a ciência é sempre empolgante, mas encontrar uma em Uluru é algo que não se espera em uma vida inteira de pesquisas", acrescentou Barrett.

(Imagem: Reprodução/Brendan Wilde/Russell Barrett)
(Imagem: Reprodução/Brendan Wilde/Russell Barrett)

Os pesquisadores também destacaram como a nova espécie se adaptou bem a uma região tão seca. Segundo eles, as raízes foram encontradas até 40 metros de profundidade nas aberturas realizadas a rocha Uluru para alcançar a valiosa água que pode existir ali. É assim que o figo do deserto persiste nas condições áridas encontradas no coração da Austrália", ressaltou o botânico.

Das 750 espécies de figueiras conhecidas no mundo, a Ásia e Australásia possuem dois terços delas, e há muito tempo são fundamentais para os povos conhecidos como Primeiras Nações da Austrália, ao fornecer alimento para eles em meio a ambientes secos. "Esperamos que a descrição desta espécie com um novo nome científico aumente sua proteção em um ambiente tão árido", destacou Barrett.

Embora a nova espécie esteja bem espalhada pela Austrália e não sofra com nenhuma ameaça de extinção aparente, ela ainda só é encontrada em pequenos grupos. “Portanto, mudanças no clima ou impactos localizados, como incêndios, podem impactar a espécie em um futuro próximo", disse Barret. O estudo foi publicado na revista Telopea.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos