Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.957,22
    -2,32 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Nova espécie de abelha com "focinho de cachorro" é descrita na Austrália

Uma nova espécie de abelha, com um focinho largo como o de um cachorro, foi encontrada no bush (pradaria) australiano, em Perth, no oeste do país. O curioso animalzinho recebeu o nome científico Leioproctus zephyr, em homenagem ao cão do autor do estudo, Kit Prendergast, tutor de um cão chamado Zephyr.

O gênero da abelha recém-descrita, Leioproctus, engloba mais de 300 espécies do animal, encontradas pela Australásia e América do Sul, onde há clima temperado. Sua distribuição é bem restrita, segundo os cientistas, aparecendo em apenas 7 locais do sudoeste australiano até agora.

Característica da fêmea de L. zephyr, conforme notado pelo autor do estudo (Imagem: Prendergast/Journal of Hymenoptera Research)
Característica da fêmea de L. zephyr, conforme notado pelo autor do estudo (Imagem: Prendergast/Journal of Hymenoptera Research)

Nariguda e enjoada

A nova espécie é bem enjoada na hora de comer: os pesquisadores notaram que a abelha nariguda só se alimenta de espécies do arbusto florescente Jacksonia, declinando quaisquer outras flores. O espécime que levou à descrição foi capturado com uma rede entomológica durante um estudo das populações de abelhas das pradarias no entorno do oeste australiano urbanizado.

Após a captura, Prendergast notou que a aparência da abelha era peculiar, exatamente pelo focinho avantajado. Consultando o especialista Terry Houston, do Museu do Oeste Australiano, ele descobriu que a espécie ainda não havia sido descrita — apesar de já haver sido coletada na natureza em 1979.

A zephyr é distinta de todas as outras espécies do gênero Leioproctus, apresentando uma ponte medial grande no centro do clípeo — a região em formato de escudo na fronte das abelhas — e tendo uma protuberância considerável na metade superior . A característica é presente tanto nos machos quanto nas fêmeas, que são relativamente pequenos, com 6 mm a 6,9 mm de comprimento corporal.

A distribuição geográfica pequena e preferência alimentar reduzida da abelha pode colocá-la em maior risco do que suas primas (Imagem: linux87/Envato)
A distribuição geográfica pequena e preferência alimentar reduzida da abelha pode colocá-la em maior risco do que suas primas (Imagem: linux87/Envato)

Com características tão marcantes, é possível concluir que a abelha, por ter sido descrita formalmente apenas agora, tem uma população bem pequena na região em que habita. Com distribuição reduzida, de apenas cerca de 40 km², e uma dieta bem restritiva, há uma preocupação acerca da conservação da L. zephyr, que pode ser ameaçada pela urbanização crescente da região — objeto inicial do estudo, nota-se.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: