Mercado abrirá em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    +1,19 (+1,69%)
     
  • OURO

    1.776,20
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    42.058,52
    -1.325,55 (-3,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.050,90
    -12,95 (-1,22%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.062,98
    +82,00 (+1,17%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.074,50
    +50,50 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1807
    +0,0016 (+0,03%)
     

Nova economia surge como motor de crescimento da Índia, diz HSBC

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O salto da adoção digital e maiores exportações de alta qualificação surgem como os novos motores de crescimento econômico e empregos na Índia, enquanto o país tenta alcançar a China em termos de penetração do comércio eletrônico, segundo economistas do HSBC.

Os dois novos motores econômicos têm a ganhar com a grande e jovem força de trabalho da Índia, bem como com as mudanças globais, disseram analistas do HSBC em relatório a clientes.

“As estrelas parecem ter se alinhado para as startups da Índia”, destacaram pesquisadores do HSBC liderados pela economista-chefe para a Índia, Pranjul Bhandari. “A liquidez global, o aumento do apetite por risco e mudanças geopolíticas aumentaram a oferta de fundos. A rápida ascensão de empresas indianas de tecnologia da nova era aumentou a demanda por financiamento.”

O HSBC estima que metade de todos os fluxos de investimento estrangeiro direto para a Índia são agora “digitais” frente a 20% há uma década. Além das empresas de tecnologia da “nova era”, exportações que exigem alta qualificação têm ganhado participação no mercado global graças à demanda por celulares, máquinas, produtos farmacêuticos e serviços de tecnologia da informação, disseram os economistas.

O sucesso da Índia com startups por muito tempo ficou aquém dos EUA e da China, mas a pandemia ajudou a mudar o cenário. Muitos consumidores recorreram a serviços online, como aulas de matemática, diagnósticos médicos e entregas de produtos que, segundo economistas do HSBC, podem adicionar 0,25 ponto percentual ao PIB do país a cada ano.

Investidores globais como Fidelity Investments, KKR e Temasek Holdings, de Singapura, têm injetado recursos na Índia, enquanto a repressão da China a empresas privadas assusta financistas. O valor do investimento de risco na Índia somou US$ 7,9 bilhões em julho, superando a China pela primeira vez em uma base mensal desde 2013, segundo a consultoria Preqin.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos