Mercado abrirá em 7 h 34 min
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,88 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,40 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,81
    +0,53 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.853,50
    +11,40 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    30.168,16
    +828,57 (+2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    673,90
    +0,52 (+0,08%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,80 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.344,24
    -373,00 (-1,80%)
     
  • NIKKEI

    26.891,66
    +152,63 (+0,57%)
     
  • NASDAQ

    11.961,75
    +121,00 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1662
    +0,0134 (+0,26%)
     

Nova cratera em Marte parece ter sido formada há poucos anos

Uma nova cratera de impacto parece ter se formado há poucos anos na superfície de Marte. A formação foi identificada comparando duas imagens de uma região do planeta vermelho produzidas em 2018 e 2020 pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter (MRO).

Ainda não há dados sobre o tamanho da cratera ou sua profundidade, mas de acordo com a equipe do instrumento High Resolution Imaging Science Experiment (HiRISE), que equipa a MRO, imagens de acompanhamento (como a que rendeu a identificação da formação) serão essenciais para coletar medidas e identificar os compostos presentes, como o gelo, por exemplo.

Cratera fotografada em Marte em 2020 (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/UArizona)
Cratera fotografada em Marte em 2020 (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech/UArizona)

A cratera fica perto do equador de Marte, e a foto foi feita perto da tarde. Além disso, há grandes áreas cobertas por poeira em toda a região. Portanto, embora a foto mostre algumas formações claras e brilhantes espalhadas pela cratera, é pouco provável que estas estruturas sejam formadas por gelo.

Vale lembrar a foto foi feita usando uma série de filtros, aplicados para destacar as formações minerais em Marte através de cores diferentes daquelas que nossos olhos veriam. Este método é necessário porque a HiRISE estuda Marte em um comprimento diferente de onda do espectro eletromagnético, e dá destaque às características entre diferentes materiais e texturas.

Geralmente, novas crateras são identificadas por meio das imagens do instrumento Context Camera e dos dados de acompanhamento coletados pela HiRISE. Através dos dados destas e outras câmeras, os cientistas estimam que a superfície marciana é atingida por aproximadamente 200 impactos a cada ano, sendo que a maioria deles é causada por pequenos objetos.

A MRO vem estudando a atmosfera e a superfície de Marte desde 2006, atuando também como uma estação de transmissão de dados para outras missões. Recentemente, a NASA concedeu uma nova extensão à missão da MRO, que seguirá investigando a evolução da superfície do planeta, sua geologia e atmosfera, entre outras características.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos