Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,57
    +0,19 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.769,00
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    54.845,37
    -1.097,42 (-1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.228,57
    -70,39 (-5,42%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.171,70
    -513,67 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    13.907,75
    +10,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6772
    +0,0015 (+0,02%)
     

Notícias do dia - O que você precisa saber para começar a quinta

Redação Notícias
·4 minuto de leitura
BRASILIA, March 11, 2021 -- A patient infected with COVID-19 is wheeled into a hospital in Brasilia, Brazil, March 11, 2021. Brazil recorded 2,233 new COVID-19 deaths in the last 24 hours, the second highest daily increase, taking the national death toll to 272,889, the Health Ministry said Thursday. (Photo by Lucio Tavora/Xinhua via Getty) (Xinhua/Lucio Tavora via Getty Images)
Paciente com Covid-19 é transferido para hospital em Brasília, no dia 11 de março de 2021 (Lucio Tavora/Xinhua via Getty) (Xinhua/Lucio Tavora via Getty Images)

Covid-19: Brasil tem 2,6 mil mortes e novo recorde de casos em 24h, Fiocruz: Brasil chegou ao maior colapso da história, Rejeição a Bolsonaro na condução da crise bate recorde e chega a 54%, Queiroga: 'Não esperem que governo resolva tudo', Covid-19: Líder do governo vê 'situação confortável', PF abre inquérito contra Renan, filho 04 de Bolsonaro, Selic: o que muda com o aumento dos juros e STF dá aval para soltar Queiroz após decisão do STJ.

Confira o que você precisa saber para começar a quinta-feira, dia 18 de março de 2021:

Covid-19: Brasil tem 2,6 mil mortes e novo recorde de casos em 24h

O Brasil registrou 2.648 novas mortes pelo novo coronavírus e 90.303 casos da doença nesta quarta (17). Com isso, o total de mortos chegou a 284.775 e o de casos a 11.693.838, de acordo com o painel atualizado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), um sistema próprio de informações que reúne dados de contaminados e de óbitos em contagem paralela à do governo. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

Fiocruz: Brasil chegou ao maior colapso da história

O Brasil vive o maior colapso sanitário da história do país, segundo a Fiocruz. A instituição divulgou a informação no Boletim do Observatório Covid-19 na última terça-feira, 16. A conclusão foi baseada na análise dos dados de secretarias estaduais de Saúde e também do Distrito Federal. O índice de ocupação de leitos e Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é crítico e o sistema hospitalar está perto do colapso em todo o país. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

Rejeição a Bolsonaro na condução da crise bate recorde e chega a 54%

Em meio à sequência de recordes diários na média móvel de casos de coronavírus e com o país se aproximando do patamar de 3 mil mortes por dia – foram 2.798 nesta terça-feira –, mais da metade dos brasileiros, pela primeira vez, rejeitam a gestão do presidente Jair Bolsonaro na condução da pandemia. Pesquisa Datafolha divulgada na noite desta terça-feira pelo jornal "Folha de S. Paulo" mostra que 54% da população avaliam como ruim ou péssima a atuação presidencial na crise sanitária. Em outro dado colhido pelo instituto, 44% reprovam o governo como um todo – eram 40% no fim de janeiro. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

'Não esperem que governo resolva tudo', diz Queiroga

Marcelo Queiroga, novo ministro da Saúde, afirmou nessa quarta-feira (04) que duas medidas podem minimizar, à curto prazo, os efeitos da pandemia do novo coronavírus: distanciamento social e melhora no atendimento hospitalar dos pacientes. A fala foi durante uma coletiva na Fiocruz em um evento que marcou a entrega do primeiro lote, com 500 mil doses da vacina da AstraZeneca, fabricadas pelo órgão com sede no Rio de Janeiro. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

Covid-19: Líder do governo vê 'situação confortável'

Nesta quarta-feira (17), o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que a “situação do Brasil na pandemia é até confortável”, apesar de o país ter batido mais um recorde ontem, ao registrar 2.798 mortes por covid-19 em 24 horas. “Nosso sistema de saúde responde, está melhor no tratamento de pessoas do que a maioria de países de primeiro mundo”, disse, em entrevista à Globonews. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

Datafolha: 50% são contra impeachment de Bolsonaro

Pesquisa do Datafolha aponta que 50% da população não quer que o Congresso abra um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro (sem partido), enquanto 46% se dizem favoráveis à medida em meio à deterioração da pandemia no país. O instituto ouviu 2.023 pessoas em 15 e 16 de março, por telefone. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou menos. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

PF abre inquérito contra Renan, filho 04 de Bolsonaro

A Polícia Federal abriu um inquérito para investigar Jair Renan Bolsonaro, filho 04 do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A decisão partiu de um pedido do Ministério Público Federal, depois de uma denúncia de possível tráfico de influência e lavagem de dinheiro. A informação foi revelada pelo jornal Folha de S. Paulo. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

Selic: o que muda com o aumento dos juros

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central se reuniu hoje para discutir a taxa básica de juros da economia, a famosa taxa Selic. O órgão decidiu aumentar para 2,75% ao ano. O valor anterior, de 2% ao ano, já estava em seu menor nível desde o início da série histórica, em 1986, e vigorava desde agosto de 2020. LEIA A MATÉRIA COMPLETA

STF dá aval para soltar Queiroz após decisão do STJ

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), manteve a decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça) de revogar a prisão domiciliar de Fabrício Queiroz, ex-assessor acusado de operar o esquema da "rachadinha" que teria como chefe o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). LEIA A MATÉRIA COMPLETA