Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.428,11
    +350,94 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Por que as notas do skate feminino são mais baixas do que o masculino

·3 minuto de leitura

Após um 9.5 garantir a medalha de prata para o brasileiro Kelvin Hoefler no último sábado, a brasileira Rayssa Leal conseguiu a mesma medalha no domingo com um 4.21. O critério adotado pelos jurados é o mesmo tanto no masculino quanto no feminino, mas a avaliação passa por um longo processo de evolução do esporte que o LANCE! explica.

O contraste evidente entre as notas altas do skate street masculino beirando o 10 no sábado com as notas baixas do skate street feminino, até mesmo com algumas próximas do 0, no domingo impressionou os espectadores que viam o esporte nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Leia também:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Todos os skatistas do street, tanto no masculino quanto no feminino, fizeram a primeira etapa com duas voltas, onde somavam manobras em diferentes obstáculos da pista do Ariake Urban Sports Park. Cada volta de 45 segundos receberia uma nota dos jurados somando todo o desempenho dos atletas.

No fim, todos tiveram ainda mais cinco manobras, onde os jurados novamente votariam para definir o desenvolvimento e a complexidade de cada skatista. Todas as notas - incluindo as duas voltas anteriores - foram somadas, e as três piores foram descartadas.

Nishiya Momiji do Japão comemora após a final feminina do skate em Tóquio 2020, no Japão, em 26 de julho de 2021.
Nishiya Momiji do Japão comemora após a final feminina do skate em Tóquio 2020, no Japão, em 26 de julho de 2021. (Foto de Li Ga / Xinhua via Getty Images)

O skate street masculino viu o japonês Yuto Horigome ficar com o ouro com o somatório de 37.18, enquanto Kelvin Hofler ocupou a segunda colocação com 36.15. No feminino, a japonesa Funa Nakayama venceu a prova com o somatório 15.77, enquanto Rayssa Leal foi prata com 14.91.

A diferença das notas entre skatistas homens e mulheres existe por conta do desenvolvimento do skate feminino que, ao viver em um meio marginalizado, ainda vive em evolução por aparecer recentemente no 'mainstream' do esporte mundial. 

Ao centro, a campeã Nishiya Momiji, do Japão; à esquerda, a brasileira Rayssa Leal; e Nakayama Funa do Japão, posam para foto na cerimônia de premiação da rua feminina do skate Tokyo 2020 em Tóquio, Japão, 26 de julho de 2021.
Ao centro, a campeã Nishiya Momiji, do Japão; à esquerda, a brasileira Rayssa Leal; e Nakayama Funa do Japão, posam para foto na cerimônia de premiação da rua feminina do skate Tokyo 2020 em Tóquio, Japão, 26 de julho de 2021. (Foto de Li Ga / Xinhua via Getty Images )

O skate ainda é um esporte jovem e, mesmo que o Brasil seja considerado uma potência nele, é necessário compreender que o seu desenvolvimento no país é algo recente e que passou a crescer apenas na década de 90 por conta de proibições anteriores.

Nos anos 2000, a cena do skate masculino cresceu no Brasil com o sucesso de skatistas como Bob Burnquist e Mineirinho. O skate feminino, porém, passou a ter um grande destaque no país com o surgimento de Letícia Bufoni, que disputou os Jogos Olímpicos de Tóquio.

A filipina Margielyn Didal comemora durante a final do skate street nos Jogos Olímpicos de Tóquio no Ariake Urban Sports Park em 26 de julho de 2021 em Tóquio, Japão.
A filipina Margielyn Didal comemora durante a final do skate street nos Jogos Olímpicos de Tóquio no Ariake Urban Sports Park em 26 de julho de 2021 em Tóquio, Japão. (Foto de Patrick Smith / Getty Images)

O desenvolvimento tardio do skate feminino explica o motivo das notas inferiores ao masculino. As manobras são menos complexas porque as mulheres tiveram menos apoio e evolução ao longo dos anos. A tendência, porém, é que isso mude com o passar dos anos, pois o esporte irá evoluir.

A medalha de prata da jovem Rayssa Leal, de apenas 13 anos, é um passo enorme para a evolução do skate feminino no Brasil. O desempenho da brasileira serve como inspiração para crianças que podem desempenhar um papel importante no futuro do esporte.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos