Mercado abrirá em 6 h 4 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,76 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,66 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,90
    -0,21 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.775,30
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.388,05
    -1.001,90 (-4,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,57
    -16,24 (-2,84%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,68 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.515,75
    -20,31 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    19.725,97
    -196,48 (-0,99%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.438,50
    -54,75 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2461
    -0,0131 (-0,25%)
     

Nosso cérebro passa a vida toda tentando adivinhar as coisas

O cérebro está constantemente tentando avidinhar a próxima palavra, tanto quando se lê um livro quanto no momento em que se ouve um discurso. A descoberta vem de um estudo publicado na revista científica PNAS.

A neurociência já tinha uma ideia de que isso acontecia, mas as evidências científicas até então eram indiretas e restritas a situações artificiais, o que motivou a equipe a entender exatamente como isso funciona e testar o ímpeto de adivinhação do cérebro em diferentes situações.

Os pesquisadores analisaram a atividade cerebral de pessoas ouvindo histórias investigativas e utilizaram um modelo computacional para calcular o grau de imprevisibilidade para cada palavra escrita.

Conforme comenta o artigo, o que acontece é que, para cada palavra ou som, o cérebro faz expectativas estatísticas detalhadas e acaba sendo extremamente sensível ao grau de imprevisibilidade: a resposta cerebral é mais forte sempre que uma palavra é inesperada no contexto.

O cérebro tenta constantemente adivinhar as continuação das frases (Imagem: Rawpixel)
O cérebro tenta constantemente adivinhar as continuação das frases (Imagem: Rawpixel)

"O cérebro às vezes termina mentalmente as frases de outra pessoa, por exemplo, se ela começar a falar muito lentamente, gaguejar ou ser incapaz de pensar em uma palavra. Mas o que mostramos aqui é que nosso cérebro está constantemente adivinhando as palavras. A 'maquinaria preditiva' está sempre ligada", apontam os pesquisadores.

Os pesquisadores mencionam que o cérebro faz algo comparável a um software de reconhecimento de fala, que também está constantemente fazendo previsões. Outro exemplo é a função de preenchimento automático em seu telefone. Só que os cérebros predizem não apenas palavras. Essas previsões acontecem em muitos níveis diferentes, desde significado abstrato até sons específicos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos