Mercado fechará em 6 h 28 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,26
    -1,69 (-2,42%)
     
  • OURO

    1.794,00
    +8,80 (+0,49%)
     
  • BTC-USD

    57.988,38
    +990,07 (+1,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.472,46
    +43,53 (+3,05%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.056,06
    -53,89 (-0,76%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.316,25
    -74,50 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3501
    +0,0209 (+0,33%)
     

Nos EUA, ouro e bolsa se estabilizam com juros do Fed no radar

·2 min de leitura

Nesta quarta-feira (24/11), tanto as bolsas dos EUA quanto o ouro permaneceram estáveis com os investidores olhando os dados de atividade econômica e inflação.

A pressão inflacionária tem acendido o sinal de alerta sobre a possibilidade do Federal Reserva (Fed) aumentar os juros antes do esperado.

As últimas informações vêm mostrando a inflação norte-americana insistentemente alta, com dados vindo acima do esperado.

O índice de preços ao consumidor (IPC) saltou 0,9% no mês passado, depois de subir 0,4% em setembro. Com esse aumento dos preços em outubro, a taxa anual do IPC ficou em 6,2%, sendo o maior aumento de preços ano a ano desde novembro de 1990.

O que vem segurando o Fed em uma empreitada de aumentar os juros é a insegurança da instituição quanto à recuperação da atividade econômica.

Porém, os dados recentes vêm mostrando que o aperto monetário, via aumento de juros, poderá estar próximo.

Hoje, os dados de auxílio-desemprego alimentaram novamente a tese de que a economia dos EUA vem se recuperando bem. Os dados vieram consistentes com outros já divulgados, como as vendas do varejo e produção industrial.

O número de americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu para o seu menor patamar desde 1969 na semana passada.

Conforme informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira, os pedidos iniciais de auxílio-desemprego, referentes à semana encerrada no dia 20/11, recuaram em 71.000, para 199.000 em dado ajustado sazonalmente. 

Os dados vieram bem melhor do que o projetado por economistas de mercado, que esperavam 260.000 pedidos na semana passada.

As solicitações têm diminuído desde outubro, embora o ritmo de redução tenha recuado nas últimas semanas, à medida que os pedidos se aproximam da média pré-pandemia de cerca de 220.000.

A queda nas solicitações reforça com os dados de vendas no varejo e produção industrial nos EUA. 

Em conjunto, sugerem que a economia está retomando fôlego no quarto trimestre após uma desaceleração no período de julho a setembro, quando os casos de Covid-19 explodiram durante o verão no Hemisfério Norte e a escassez se tornou mais generalizada.

Ouro e bolsas hoje

Com as expectativas de intensificação da retirada dos estímulos monetários no radar, tivemos cotações estáveis para as bolsas de valores e o ouro.

O S&P 500 subia 0,11%, até às 17h, aos 4.696,02 pontos. O Dow Jones caía 0,13%, aos 35.767,75 pontos.

Já o ouro subia 0,08%, cotado a US$ 1.785,15 por onça.

Aqui no Brasil, o Ibovespa subia 0,74%, após ter aberto em queda no dia. Com isso, o índice brasileiro alcançava os  104.474 pontos.

Por fim, o dólar terminou o dia em alta de 0,43%, cotado a RS 5,59, mantendo tendência de alta dos últimos dias.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos