Mercado fechará em 4 h 2 min
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    0 (0)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    33.644,53
    -1.561,93 (-4,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    765,42
    -45,18 (-5,57%)
     
  • S&P500

    4.309,83
    -88,11 (-2,00%)
     
  • DOW JONES

    33.682,53
    -582,84 (-1,70%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,64 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0226 (+0,37%)
     

Nos EUA, brasileiro pode ficar 22 anos preso por fraudar contas da Uber e Lyft

·1 min de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Um brasileiro se declarou culpado para um tribunal federal de Boston, nos EUA, pela abertura de contas em serviços como Uber, Lyft e Doordash por meio de fraudação;

  • Flávio Cândido da Silva, de 36 anos, admitiu a utilização de informações de identidades roubadas, adquiridas na dark web;

  • A sentença de Flávio e de outros membros da quadrilha está marcada para o dia 22 de abril de 2022.

Na semana passada (17), Flávio Cândido da Silva, de 36 anos, declarou-se culpado para um tribunal federal de Boston, nos EUA, pela abertura fraudulenta de contas de serviço de compartilhamento, de viagem e entrega, como Uber, Lyft e Doordash.

Na confissão, o brasileiro também admitiu o uso de informações de identidades roubadas, vendidas na dark web, espécie de endereço oculto na internet.

Leia também:

Flávio, que é residente da cidade de Malden, no estado de Massachusetts, afirmou-se culpado dos crimes de conspiração com intenção de cometer fraude eletrônica e roubo de identidade.

As credenciais roubadas eram usadas para abrir contas em serviços de transporte e entrega por aplicativo, de forma a serem vendidas a motoristas, em sua maioria brasileiros, que não tinham os requisitos necessários para trabalhar nas companhias, pois não tinham habilitação válida para os Estados Unidos.

A quadrilha, formada por 18 pessoas, e que aparentemente era comandada por Flávio, também utilizava uma rede de bots para explorava sistemas de bônus das companhias de transporte e tecnologia de GPS para que motoristas ganhassem valores maiores nas corridas.

A sentença de Flávio e outros membros da quadrilha está marcada para 22 de abril de 2022, podendo chegar a 20 anos de prisão por fraude eletrônica e mais dois anos por roubo de identidade. Além disso, há a multa de US$ 250 mil, cerca de R$ 1,4 milhão na cotação atual.

As informações são do Tecmundo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos