Mercado fechará em 1 h 4 min
  • BOVESPA

    121.751,85
    +1.045,95 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.272,06
    +442,75 (+0,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,35
    +1,53 (+2,40%)
     
  • OURO

    1.841,30
    +17,30 (+0,95%)
     
  • BTC-USD

    50.501,61
    +2.616,09 (+5,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.416,01
    +57,45 (+4,23%)
     
  • S&P500

    4.181,86
    +69,36 (+1,69%)
     
  • DOW JONES

    34.442,10
    +420,65 (+1,24%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.404,75
    +304,50 (+2,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3978
    -0,0147 (-0,23%)
     

Northrop Grumman consegue acoplar equipamento de manutenção a satélite em órbita

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

Nesta segunda-feira (12), a Northrop Grumman, junto da subsidiária SpaceLogistics LLC, realizou com sucesso a acoplagem do satélite Mission Extension Vehicle-2 (MEV-2) ao IS-10-02, um satélite de comunicações da Intelsat. A missão, realizada para estender a vida útil do satélite em cinco anos, demonstra as possibilidades dos serviços de manutenção em órbita, um setor que segue em expansão.

Tom Wilson, vice-presidente da Northrop Grumman e presidente da SpaceLogistics, celebrou os resultados da missão: “o sucesso abre o caminho para a nossa segunda geração de satélites de manutenção e robótica, oferecendo flexibilidade e resiliência tanto para operadores de satélite comerciais quanto governamentais, o que poderá permitir uma classe inteiramente nova de missões”, disse em um comunicado.

Imagem do Intelsat 10-02 feita pela câmera infravermelha do MEV-2, a 15 m de distância (Imagem: Reprodução/Northrop Grumman)
Imagem do Intelsat 10-02 feita pela câmera infravermelha do MEV-2, a 15 m de distância (Imagem: Reprodução/Northrop Grumman)

O MEV-2 foi lançado em agosto de 2020 e se uniu ao satélite que já chega a 18 anos de operação, cinco anos a mais do que o proposto pela missão original. É exatamente esse tipo de situação que a indústria dos serviços de manutenção em órbita quer abraçar, para fazer que esses equipamentos possam ser mantidas em órbita por mais tempo e, assim, proporcionar uma economia para os operadores que pode chegar a milhões de dólares.

Durante a operação, o MEV-2 se aproximou lentamente do IS-10-02 e se acoplou a ele por meio de um processo parecido com um “agarramento”, em que ocorre um encaixe mecânico entre o MEV-2 e o motor do IS-10-02. Agora, o satélite da Northrop Grumman atua como uma espécie de “motor extra” com tanque cheio, e vai se manter acoplado por cinco anos. Depois, o satélite irá seguir para sua próxima missão — que, provavelmente, deverá envolver outro satélite já chegando ao fim da vida útil.

Essa missão representa a segunda vez que a Northrop Grumman tem sucesso em acoplar dois equipamentos comerciais em órbita — a primeira ocorreu no ano passado, com o MEV-1. Ali, a empresa fez história com a acoplagem ao satélite IS-901, também da Intelsat. Este satélite, que seguia em uma órbita incorreta, estava funcional, mas tinha pouco combustível, de modo que acabaria se aposentando em alguns meses. O MEV-1 foi acoplado e passou algum tempo conectado para alimentar o Intelsat, elevando-o a outra órbita.

Desta vez, o satélite MEV-2 se acoplou com o IS-10-02 diretamente na órbita operacional em que estava. Além disso, o satélite “cliente” estava ativo, de modo que o aparelho da Northrop Grumman teve que realizar uma aproximação cuidadosa e calculada para evitar riscos de interromper as operações do outro — e, se considerarmos que a missão anterior foi feita com um satélite já prestes a sair de operação, o sucesso desta missão é um grande passo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: