Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.917,88
    -103,45 (-0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Norte e Nordeste puxam sustentabilidade dos estados para baixo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os estados brasileiros ainda estão, na média, com nota baixa nos quesitos de sustentabilidade, com uma separação bem clara entre as três regiões mais ricas do país e as duas mais pobres.

De acordo com a 2ª edição do Ranking de Sustentabilidade dos Estados, divulgada pelo CLP (Centro de Liderança Pública) nesta terça-feira (13), a nota média geral da avaliação ESG dessas 27 unidades da federação é de 40,6 (dentro do intervalo de zero a 100). ESG é a sigla em inglês que reúne três dimensões da sustentabilidade: ambiental, social e governança —todas com nota em torno da média.

O ranking também considera a nota para os quesitos ODS, sigla que trata dos 17 Objetivos de

Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU (Organização das Nações Unidas). Nesse caso, a nota média é de 53,9.

Todos os estados do Sudeste, Sul e Centro-Oeste possuem notas acima da média tanto em ESG como em ODS. No Norte e Nordeste, todos estão abaixo dessa linha.

O ODS com a maior nota média é Energia Limpa e Acessível (72,1). Mais uma vez, os estados do Norte aparecem nas piores colocações. Os números mostram que o acesso do brasileiro à energia melhorou, mas o custo ainda é um desafio para o país, que enfrentou uma crise de escassez em 2021 e no início de 2022.

O objetivo traçado pela ONU com menor nota entre os estados é Trabalho Decente e

Crescimento Econômico (42,1).

Primeiro colocado, São Paulo alcança nota 90 e 99,7 em ODS e ESG, respectivamente. Puxa a primeira nota para baixo o resultado em Redução da Desigualdade. Por outro lado, o estado tem 100% em sete objetivos, como aqueles ligados à saúde e bem-estar, educação, saneamento, energia e infraestrutura.

RANKING DE COMPETITIVIDADE

O CLP também divulgou a 11ª edição do ranking de competitividade dos estados. São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Distrito Federal se mantêm nas quatro primeiras posições, como visto nos anos anteriores.

Com o avanço do Rio de Janeiro da 17ª para a 11ª posição de 2021 para 2022, também se consolidou a separação entre Sudeste, Sul e Centro-Oeste à frente, e Norte e Nordeste nas piores posições. O estado foi o que mais avançou neste ano, com melhora em quesitos como eficiência da máquina, segurança pública, solidez fiscal e sustentabilidade ambiental.

Também foi divulgado o Prêmio de Excelência e Competitividade, com políticas públicas inspiradoras para outros estados. Entre os destaques estão o programa de créditos de ICMS para incentivar investimentos em telefonia móvel em pequenos municípios de Minas Gerais e o programa de devolução do mesmo imposto para 400 mil famílias de baixa renda por meio de cartão de débito.