Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,03
    -1,18 (-1,05%)
     
  • OURO

    1.838,40
    -2,80 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    30.229,62
    +1.242,87 (+4,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    672,50
    +20,27 (+3,11%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.469,36
    +66,52 (+0,25%)
     
  • NASDAQ

    11.963,75
    +85,50 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1733
    -0,0455 (-0,87%)
     

Nona pena de prisão perpétua para torturador da ditadura argentina

O ex-chefe da polícia de Buenos Aires Miguel Etchecolatz durante seu julgamento por crimes contra a humanidade cometidos no centro clandestino de detenção La Cacha em La Plata, Argentina, em 6 de junho de 2014 (AFP/Carlos CARMELE) (Carlos CARMELE)

O ex-chefe da polícia Miguel Etchecolatz, um dos torturadores mais emblemáticos da ditadura argentina (1976-1983), recebeu nesta sexta-feira (13) sua nona sentença de prisão perpétua por crimes contra a humanidade, informou uma fonte judicial.

O Tribunal Oral Federal 1 de La Plata o condenou à prisão perpétua junto com o ex-policial Julio César Garachico por sequestro, tortura e assassinato de sete pessoas ocorridos no centro de detenção clandestino conhecido como "Pozo de Arana", que funcionava em La Plata, a 60 km ao sul da capital argentina.

"Foram crimes contra a humanidade e assim devem ser qualificados", disse o presidente do tribunal, Andrés Basso, ao ler a sentença.

Etchecolatz, de 93 anos, cumpre sua pena no presídio de Ezeiza e não assistiu a leitura do veredicto por estar internado com um quadro febril. Também não esteve presente Garachico, de 81 anos, que cumpre prisão domiciliar em Mar del Plata.

O tribunal concedeu à Garachico o benefício de permanecer sob prisão domiciliar, o que gerou repúdio dos presentes na sala que, aos gritos de "prisão comum, perpétua e efetiva", tiveram que ser retirados.

Além das condenações, o tribunal ordenou a criação de um memorial no local onde funcionava o presídio clandestino de Arana, assim como escavações em busca de restos humanos em uma fazenda próxima onde funciona uma propriedade do Exército.

sa/ls/dg/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos