Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.946,48
    -1.598,45 (-2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Nokia anuncia plano para cortar até 10.000 empregos em dois anos

·1 minuto de leitura
A Nokia planeja demitir até 11% de sua equipe em dois anos

A Nokia planeja cortar de 5.000 a 10.000 empregos em dois anos, o que representa 11% de seus efetivos, como parte de um grande plano de redução de custos, anunciou o fabricante finlandês de telecomunicações nesta terça-feira (16).

Esta reestruturação reduzirá a equipe para entre "80.000 e 85.000 funcionários em 18 ou 24 meses, contra os cerca de 90.000 atuais", disse a empresa em um comunicado, destacando que o número exato dependerá da evolução do mercado.

Após a compra de sua rival franco-canadense Alcatel-Lucent em 2016, os efetivos da Nokia superaram os 100.000, mas a empresa já realiza demissões e economias importantes, especialmente na França.

Os novos cortes de empregos não afetarão a França "devido à reestruturação anunciada anteriormente", declarou à AFP um porta-voz do grupo com sede na Finlândia, que não especificou quais países serão afetados.

Número três mundial das redes de quinta geração 5G, o grupo liderado desde agosto por Pekka Lundmark luta para se manter perto de seus principais rivais: a sueca Ericsson e principalmente a chinesa Huawei.

O plano anunciado nesta terça-feira implicaria uma redução de custos de cerca de 600 milhões de euros (716 milhões de dólares) "até o final de 2023" que seriam destinados a financiar a pesquisa e "capacidades futuras", de acordo com o grupo finlandês.

sgk-map/esp/tjc/zm/aa