Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.779,40
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    33.961,99
    +1.399,15 (+4,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    811,90
    +17,57 (+2,21%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.497,61
    +187,85 (+0,66%)
     
  • NIKKEI

    28.882,35
    -1,78 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    14.285,50
    +27,25 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9152
    -0,0046 (-0,08%)
     

No Rio, tarifa da SuperVia pode subir mais até começo de 2022

·5 minuto de leitura
Segundo o IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, a Cidade Maravilhosa tem a tarifa mais cara do país.
Segundo o IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, a Cidade Maravilhosa tem a tarifa mais cara do país.
  • Usuários ja sofrem com dois aumentos de tarifa em menos de 6 meses;

  • Contrato da concessionária ja prevê reajuste anual no preço da passagem anuais;

  • Especialistas criticam modelo de modelo atual de transporte coletivo com fonte de renda tarifária

Rio de Janeiro - Com dívidas acumuladas em R$ 1,2 bilhão, a SuperVia, que opera o sistema de trens urbanos na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, entrou com pedido de recuperação judicial nesta segunda-feira, 7. Para especialistas em mobilidade urbana e defesa do consumidor, os fluminenses podem esperar novos aumentos de tarifa de trem para os próximos meses - somente em 2021, o preço para deslocamento de trem subiu duas vezes, chegando a R$ 5,90 (um aumento de 25,5%). Segundo o IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, a Cidade Maravilhosa tem a tarifa mais cara do país. 

"O grande problema se encontra no modelo de contrato dos transportes públicos - subsidiados por empresas e totalmente dependentes de receita vinda da tarifa paga pelo usuário", explica o coordenador de Mobilidade Urbana do IDEC, Rafael Calabria. E alerta: O transporte não é auto-suficiente - é preciso ter recursos públicos funcionando para que os trens prestem serviços na cidade sem depender da tarifa. 

O mesmo é defendido pelo coordenador geral da Casa Fluminense, Henrique Silveira. "O sistema de funcionamento do transporte público já, estruturalmente, elimina as pessoas de baixa renda - o trabalhador formal e informal - pois a tarifa tende a aumentar e as pessoas deixam de poder pagar o valor exigido. Isso faz reduzir o numero de usuários" explica.  

Leia também:

A companhia, que atribuiu as dívidas à redução de passageiros por causa da pandemia, é responsável por oito ramais e 104 estações distribuídas em 12 municípios do estado. O contrato da companhia prevê aumentos anuais de tarifa, com o teto reajustado a parti do valor do IGP-M.

"A superlotação e os preços altos ja existiam antes da pandemia", defende Calabria. O coordenador salienta que o período pandêmico apenas acirrou o problema. Ainda em 2020, o presidente Jair Bolsonaro vetou ajuda de R$ 4 bilhões para empresas de transporte coletivo, mesmo com o caráter emergencial trazido pela Covid-19. 

Segundo a Supervia, os trens transportavam 600 mil passageiros por dia antes da pandemia. Hoje, o movimento é de 300 mil passageiros, uma queda de 50%. No início de junho, a concessionária anunciou novo aumento da tarifa, de R$ 5 para R$ 5,90, a ser cobrada a partir de julho. O argumento é o mesmo dado em relação a recuperação judicial. 

Conforme publicado pelo Jornal Extra, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é o principal credor da dívida da SuperVia, tendo R$ 840 milhões a receber do grupo (69% do passivo). A concessionária de energia Light detém 13%.

Maior tarifa do país, diz IDEC

De Marechal Hermes até Ipanema, Laila Coutinho gasta diariamente 6h para ir e voltar do trabalho. Trabalhando por conta própria, ela tem hoje um custo de R$ 100 / semana para se deslocar ate o estúdio. Utilizando o serviço do trem e metrô, ela cotidianamente aguarda de três a quatro carros na estação da SuperVia para conseguir uma vaga e ir trabalhar. 

O que Laila faz não surpreende, já que muito usuários do transporte publico no Rio de Janeiro vivem situação semelhante - ou pior. A tatuadora ainda não somou os gastos extras que terá a partir do dia 1 de julho - quando a tarifa da SuperVia sofrerá o segundo aumento em cinco meses: o valor do transporte vai de R$ 5 para R$ 5,90.

Nas redes sociais, quem depende dos trens diariamente reclama da má qualidade do serviço. O anúncio do aumento da tarifa para julho e a possível falência da companhia foi um dos temas mais comentados sobre a SuperVia desde o dia 1 de junho.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Além de pagar mais caro, não há perspectivas de melhora no serviço. Trens lotados, carros fora de serviço, demora e outros problemas já conhecidos da população fluminense podem ficar ainda piores, já que, com o aumento, o numero de usuários tende a reduzir ainda mais. 

Silveira adverte que a situação do Rio é ainda mais complicada, pois o estado encontra-se em Regime de Recuperação Fiscal, o que dificulta a liberação de verbas: o estado deve pagar dívidas de cerca de R$ 9 bilhões para a União, num prazo de 30 anos.

Aumento não vai resolver o problema da dívida, diz presidente da Supervia

Em entrevista ao Desenrola, podcast do G1, o presidente da concessionária, Antônio Carlos Sanches, diz que durante 14 meses foram adotadas medidas para evitar a falência da SuperVia. Um plano de alongamento das dividas junto aos credores será apresentado. "Sem a recuperação judicial, não temos como continuar operando", afirma. 

Sanches explicou, ainda, que a tarifa 'é alta, mas não vai resolver o problema todo da SuperVia'. 

Em fevereiro deste ano, organizações da sociedade civil conseguiram acordo para impedir o aumento de R$ 1,20 sobre o valor, articulando para R$ 5 (antes R$ 4,70). Menos de 4 meses depois, a Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes - Agetransp, autorizou o segundo reajuste do ano. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos