Mercado fechará em 4 h 59 min
  • BOVESPA

    113.007,67
    -1.640,32 (-1,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.705,56
    -92,82 (-0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,17
    +0,89 (+1,08%)
     
  • OURO

    1.765,00
    -3,30 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    61.867,82
    +934,18 (+1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.445,04
    -6,59 (-0,45%)
     
  • S&P500

    4.467,90
    -3,47 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.204,46
    -90,30 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.188,16
    -45,87 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.140,25
    +5,75 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4097
    +0,0059 (+0,09%)
     

No Rio, projeto de lei quer proibir cobrança de sacolas biodegradáveis em mercados e estabelecimentos comerciais

·2 minuto de leitura

RIO — Um projeto de lei que tramita na Câmara Municipal dos Vereadores do Rio promete mexer com o bolso dos consumidores. O texto propõe proibir a cobrança de sacolas biodegradáveis, de papel ou de qualquer outro material que não polua o meio ambiente para embalagem e transporte de itens adquiridos no município do Rio. Segundo o texto, o custo de distribuição das sacolas não seria mais do cliente, mas dos estabelecimentos. Assim, supermercados não poderiam mais vendê-las a consumidores do varejo.

— É inegavel que os consumidores precisam das sacolas para transportar suas compras. O justo é que os estabelecimentos comerciais não repassem esse custo das sacolas biodegradáveis para os clientes, tendo em vista que eles já pagam impostos em todos os produtos, e com preços cada vez mais altos, ainda têm que pagar pela embalagem? — indaga o vereador Marcio Ribeiro (Avante), que protocolou o projeto na Casa.

O projeto aguarda votação. Caso seja aprovado pelos parlamentares e depois sancionado pelo prefeito Eduardo Paes, o estabelecimento que não se adequar às regras após ser advertido poderá ser multado em R$ 5 mil. Em caso de reincidência do descumprimento, a penalidade será maior, com multa de R$ 10 mil, podendo ser aumentada em cinco vezes.

A dona de casa Andréa Alves, de 52 anos, torce pela aprovação.

— Eu cotumo ir ao mercado pelo menos uma vez por semana. E nem sempre consigo ir de casa, às vezes vou na saída do trabalho, por exemplo, e não consigo levar as sacolas de casa. A cada vez, são de 15 a 20 sacolas. No fim das contas acaba se tornando um valor considerável. Faz diferença do bolso do trabalhador — relata a dona de casa.

Em junho de 2018, as sacolas plásticas descartáveis foram proibidas em supermercados do Rio. Sancionada pelo então governador Luiz Fernando Pezão, a lei baniu o seu uso por completo, a distribuição e até mesmo a venda. Desta forma, tiveram que ser substituídas por bolsas reutilizáveis — que vem nas cores verde e cinza. Biodegradáveis, elas podem ser usadas até 60 vezes, inclusive para depositar o lixo orgânico doméstico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos