Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.953,14
    -108,01 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

No Rio Grande do Sul, tropa de choque usa bombas de gás para desbloquear rodovias

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Nas rodovias do Rio Grande do Sul, a terça-feira (1º) começou com 17 pontos de bloqueio em rodovias federais, segundo balanço da PRF (Polícia Rodoviária Federal). Na segunda-feira (31) o número chegou a 42. Cumprindo uma decisão do STF, os agentes de segurança começaram a agir para desbloquear as estradas na manhã desta terça.

Na BR-116, próximo a Novo Hamburgo, na zona metropolitana de Porto Alegre, a PRF desistiu de negociar e, diante da resistência dos manifestantes, a tropa de choque usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar o grupo. Às 10h, policiais escoltavam as laterais da rodovia para evitar novos bloqueios. O trecho ainda apresenta lentidão em razão de detritos colocados pelos manifestantes para interromper a via.

Na maioria das rodovias, o desbloqueio está sendo negociado entre os agentes da PRF e os manifestantes. Em alguns locais, a saída dos manifestantes ocorre de forma pacífica. A PRF do Rio Grande do Sul informou, nesta terça, que "está trabalhando para garantir a desobstrução". Na noite de segunda-feira, o Governo do RS instaurou um gabinete de crise para a situação. A Brigada Militar dá suporte à ação.

Em Porto Alegre, em razão do medo de desabastecimento e de aumento de preços, houve aumento da procura por combustíveis desde segunda-feira e já há postos sem gasolina ou limitando a litragem para cada abastecimento.