Mercado abrirá em 3 h 17 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,73
    +0,42 (+0,50%)
     
  • OURO

    1.839,90
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    36.170,60
    +1.004,93 (+2,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,01
    +10,41 (+1,28%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.310,44
    +13,29 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.207,75
    -293,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2156
    -0,0131 (-0,21%)
     

No Reino Unido, startup testa motor de foguete com combustível de plástico reciclável

·1 min de leitura
A 'Pulsar Fusion' visa ser a principal força no setor de tecnologia de fusão nuclear da Europa. Foto: Reprodução da internet.
A 'Pulsar Fusion' visa ser a principal força no setor de tecnologia de fusão nuclear da Europa. Foto: Reprodução da internet.
  • A 'Pulsar Fusion', startup do Reino Unido, visa ser a principal força do setor de tecnologia de fusão nuclear da Europa;

  • Na última semana, a empresa testou um motor de foguete que usa combustível híbrido feito de polietileno de alta densidade e oxidante de óxido nitroso;

  • O PEAD, ou HDPE, usado na criação do material, está presente em diversos produtos plásticos.

A 'Pulsar Fusion', uma startup do Reino Unido que visa ser a principal força no setor de tecnologia de fusão nuclear da Europa, testou na última semana um motor de foguete que utiliza combustível híbrido feito com polietileno de alta densidade (PEAD) e oxidante de óxido nitroso.

Leia também:

O PEAD, ou HDPE, é utilizado em uma ampla variação de produtos plásticos, como garrafas de bebidas e detergentes, e é visto como uma maneira singular de alimentar foguetes que necessitam de muita energia.

Para Richard Dinan, CEO da empresa, os resultados foram muito satisfatórios, e a 'Pulsar Fusion' está entre as poucas companhias do mundo que construíram e testaram a tecnologia.

O uso de restos de plástico para o lançamento de foguetes é enxergado de forma positiva, pois o material tem alta capacidade para poluir, visto que ainda não é reciclado mundialmente da maneira adequada.

Portanto, a startup quer apresentar o motor de propulsão de fusão em teste estático até 2025, para então mandar um foguete à órbita, em 2027.

As informações são do Olhar Digital.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos