Mercado fechará em 1 h 42 min
  • BOVESPA

    122.885,73
    +369,98 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.396,13
    +526,65 (+1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,49
    -0,77 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.813,40
    -8,80 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    37.924,47
    -1.643,90 (-4,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,65
    -18,79 (-1,99%)
     
  • S&P500

    4.416,90
    +29,74 (+0,68%)
     
  • DOW JONES

    35.070,07
    +231,91 (+0,67%)
     
  • FTSE

    7.105,72
    +24,00 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    15.026,75
    +74,00 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1907
    +0,0466 (+0,76%)
     

No Pará, presidente exibe camiseta 'É melhor Jair se acostumando. Bolsonaro 2022'

·2 minuto de leitura

O presidente Jair Bolsonaro exibiu nesta sexta-feira uma camiseta em cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural, em Marabá, no Pará, com sua foto e uma bandeira do Brasil exaltando a campanha de reeleição: “É melhor Jair se acostumando. Bolsonaro 2022”.

No evento, o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, estava discursando e chamou Bolsonaro para receber alguns presentes . Ao entregar a camisa, Guimarães disse que o presente era de um grupo, mas não citou o nome. No centro do palco do evento, Bolsonaro pegou a camisa e exibiu para o público presente. Depois, recebeu mais um presente, fez sinal de positivo e voltou para sua cadeira.

Segundo especialistas ouvidos pelo GLOBO, ao receber e mostrar uma camiseta com a referência à sua provável candidatura em 2022, o presidente Jair Bolsonaro feriu o princípio da impessoalidade nos cargos públicos e que veda a utilização de eventos oficiais para benefício próprio. De acordo com a legislação, constitui ato de improbidade administrativa qualquer um que atente contra os princípios da administração pública e que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições.

— Acredito que é, no mínimo, uma violação ao principio da impessoalidade e moralidade no campo da improbidade administrativa. Evidente a violação de Lei de Improbidade Administrativa, com divulgação de proposta eleitoral envolvendo o presidente da República em evento oficial — disse o advogado Luiz Moreira Salata.

A Constituição Federal também prevê que a administração pública obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

Bolsonaro viajou acompanhado do pastor Silas Malafaia e dos deputados evangélicos Marcos Feliciano (Republicanos-SP) e Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ). Também acompanham o presidente a ministra Tereza Cristina (Agricultura), Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e André Mendonça (Advocacia-Geral da União).

Na solenidade em Marabá, Bolsonaro voltou a criticar os governadores por adotarem medidas restritivas durante a pandemia de Covid-19.

— O nosso direito de ir e vir é sagrado, nosso direito ao trabalho também, a nossa liberdade de culto. E eu lamento que muitos governadores do Brasil usurparam disso e fecharam o comércio, obrigaram o povo a ficarem em casa, decretaram lockdown e também o toque de recolher. - disse o presidente, completado : - Essas atitudes além de não recomendáveis atingem a dignidade humana.

O presidente também participou de carreata pela cidade de Marabá e voltou a causar aglomeração. Sem máscara, ele parou e tirou fotos com seus apoiadores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos