Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,42
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.852,30
    +14,20 (+0,77%)
     
  • BTC-USD

    45.113,29
    -2.619,14 (-5,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.251,08
    -107,48 (-7,91%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.009,61
    -74,86 (-0,27%)
     
  • NASDAQ

    13.373,00
    -14,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3993
    -0,0047 (-0,07%)
     

No novo leilão do pré-sal, vencedores terão que indenizar Petrobras em R$ 6,4 bi

Manoel Ventura
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O governo federal decidiu alterar regras para leiloar pela segunda vez dois grandes campos do pré-sal na Bacia de Santos que ficaram encalhados na última licitação. O novo leilão será feito até o fim do ano, reforçando o caixa da União.

Em 2019, os campos de Atapu e Sépia não receberam ofertas no megaleilão de petróleo realizado naquele ano. Uma reclamação praticamente unânime na época entre empresas que avaliaram participar do certame era não saber previamente quanto teriam de pagar à Petrobras pelos investimentos já feitos nesses campos.

Agora, ficou definido que a estatal receberá US$ 6,45 bilhões das petroleiras vencedoras. O valor poderá ainda ser complementado entre 2022 e 2023, caso o barril do petróleo ultrapasse a média anual de US$ 40 até um limite de US$ 70 por barril. A cotação atual é próxima de US$ 65.

Leia mais detalhes sobre o leilão na reportagem exclusiva para assinantes do GLOBO.