Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.429,66
    +262,34 (+1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

No Facebook, Zuckerberg rebate acusações e diz que empresa não prioriza lucro

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, publicou na noite desta terça-feira (5) um longo texto em seu perfil na rede social, no qual comenta a queda dos serviços do grupo. Ele também se defende de acusações sobre como a companhia teria lidado com informações de que suas redes prejudicam a imagem que adolescentes têm de si próprios.

Segundo o executivo, a mensagem foi enviada para os funcionários da companhia. Nela, afirmou que as acusações de que a empresa prioriza o lucro sobre a segurança e o bem-estar dos seus usuários não são verdadeiras. Também disse que a maioria dos colaboradores não deve perceber como a imagem da empresa tem sido retratada de forma equivocada.

Sobre a queda nos serviços, ocorrida nesta segunda-feira (4), ele disse que foi a pior falha em anos e que a empresa passou as últimas 24 horas avaliando como fortalecer seus sistemas contra esse tipo de problema.

"A preocupação mais profunda com uma interrupção como essa não é quantas pessoas mudam para serviços da concorrência ou quanto dinheiro perdemos, mas o que isso significa para as pessoas que dependem dos nossos serviços para se comunicar com seus entes queridos, administrar seus negócios ou apoiar suas comunidades", disse.

Zuckerberg disse que é difícil para os funcionários ver a cobertura que a imprensa faz sobre o grupo, pois não refletiria a empresa que eles conhecem. O executivo se referia às denúncias de que o Facebook sabia que seu conteúdo prejudicava crianças e adolescentes, fazendo-as sentirem-se piores sobre si mesmas, e que não teria agido para resolver o problema.

A maior parte do pronunciamento foi sobre esse caso. Ele listou medidas que, na sua opinião, provam que isso não é verdade, como o fato da empresa se preocupar em fazer pesquisas sobre a percepção que esse grupo tem das redes, e ter ferramentas pelas quais os pais podem controlar o conteúdo que os filhos acessam.

"Tenho orgulho de tudo o que fazemos para continuar construindo os melhores produtos sociais do mundo e sou grato a todos vocês pelo trabalho que realizam aqui todos os dias", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos