Mercado abrirá em 9 h 20 min
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,56
    -0,79 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.815,70
    -14,00 (-0,77%)
     
  • BTC-USD

    35.812,06
    -1.137,58 (-3,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,95
    -41,87 (-4,89%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    23.749,26
    -540,64 (-2,23%)
     
  • NIKKEI

    26.342,65
    -668,68 (-2,48%)
     
  • NASDAQ

    13.911,00
    -247,50 (-1,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0987
    -0,0077 (-0,13%)
     

No Brasil, setor de streaming deve movimentar mais de R$ 1 bilhão em 2022

·1 min de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Projeta-se que o crescimento do consumo de streaming no Brasil movimente mais de R$ 1 bilhão em 2022;

  • Executivos do setor afirmam que investimentos anuais por plataforma ultrapassam os R$ 100 milhões;

  • As primeiras posições do mercado são disputadas entre Netflix, Amazon Prime, DisneyPlus e Globoplay.

Recentemente, o JustWatch, site alemão conhecido por indicar onde séries e filmes estão disponíveis na internet, divulgou pesquisa demonstrando a porcentagem dos assinantes das principais plataformas de streaming no Brasil, domínio que aumenta cada vez mais.

Se o público cresce, o mercado explode em receita. Projeta-se que o aumento do consumo de streaming no país movimente mais de R$ 1 bilhão no setor em 2022.

Leia também:

Mesmo que as maiores plataformas de streaming não informem seus números, os executivos do setor afirmam que os investimentos anuais por plataforma passam dos R$ 100 milhões. 

Na briga dos primeiros lugares no pódio estão companhias como Netflix, Amazon Prime Video, Disney Plus e Globoplay.

E as políticas públicas para conteúdo audiovisual brasileiro?

Em meio à desativação de determinados mecanismos de apoio à cultura, produtores independentes estão voltados cada vez mais às emergentes plataformas de streaming.

Por diversos anos, o Fundo Setorial do Audiovisual, que é constituído pelos tributos arrecadados pelo setor, foi responsável pelas produções brasileiras. Contudo, a liberação das verbas diminuiu com o governo Bolsonaro.

Como efeito, o modelo de negócio de perfil industrial está preenchendo o espaço deixado pela falta de investimento estatal.

O período de confinamento social da pandemia impulsionou o mercado, que já vinha crescendo. De acordo com pesquisa da Katar Ibope Media, no ano passado, 58% dos brasileiros consumiram mais streaming de vídeo pago, enquanto 68% usaram os gratuitos.

As informações são do Valor Investe.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos