Mercado fechado

Nióbio brasileiro será usado na produção de ‘super carro’ inglês

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
O BAC Mono, que terá nióbio brasileiro.
O BAC Mono, que terá nióbio brasileiro.

A empresa brasileira CBMM, controlada pela família Moreira Salles e líder global na produção e comercialização de produtos de nióbio, anunciou uma parceria com a montadora inglesa Briggs Automotive Company (BAC) para fornecer nióbio que será usado na fabricação de um “super carro”.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

O veículo em questão é o BAC Mono, um verdadeiro monstro das pistas, misto de carro de corrida e super esportivo para estradas.

A ideia é que o nióbio brasileiro seja utilizado na parte estrutural do veículo, para lhe dar mais leveza e garantir velocidades maiores, além de segurança. O projeto ainda está em fase de prototipagem, segundo o Estadão, e depois disso segue para implementação na linha de montagem.

Leia também

A CBMM emitiu comunicado falando sobre o projeto, obtido pelo jornal:

“A parceria entre as empresas tem o objetivo de proporcionar ainda mais eficiência ao novo BAC Mono, já que o uso de ligas metálicas enriquecidas com nióbio no chassi implicará em uma redução na quantidade de material necessário para se atingir o objetivo estrutural do veículo. O resultado é um automóvel mais leve, com possibilidade de alcançar maior velocidade em menor tempo, além de oferecer melhor resposta de frenagem e segurança”, diz Pablo Salazar, da área de mobilidade da CBMM.

Recentemente, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro falou novamente sobre o nióbio, comentando seu potencial para “revolucionar o mercado automotivo” e de baterias elétricas, outra área em que a CBMM investe junto a parceiras asiáticas, na busca por capitalizar do crescente mercado de veículos elétricos.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube