Mercado fechará em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    108.290,44
    -2.495,99 (-2,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.881,72
    -416,48 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,07
    -2,35 (-2,82%)
     
  • OURO

    1.780,40
    -4,50 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    62.764,29
    -3.883,60 (-5,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,06
    -50,59 (-3,30%)
     
  • S&P500

    4.530,62
    -5,57 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    35.478,13
    -131,21 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.187,94
    -35,16 (-0,49%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.397,25
    +19,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5724
    +0,0528 (+0,81%)
     

Nintendo Switch: vale a pena comprar em 2021?

·7 minuto de leitura

Em meio a muitos rumores sobre um possível Switch de segunda geração com suporte a conteúdos 4K e a apresentação do Switch OLED Model, em julho deste ano, muitas pessoas se perguntam se ainda vale a pena comprar o Nintendo Switch tradicional.

Antes de responder o por que, já adianto que, sim, ainda vale a pena comprar o Nintendo Switch em 2021. Com cerca de quatro anos de vida, o console é um dos mais vendidos do mundo atualmente, chegando a 100 milhões de unidades vendidas, e não é por acaso: temos um sistema híbrido que funciona perfeitamente, franquias de jogos exclusivas e um multiplayer exemplar.

Nos próximos parágrafos, vou te ajudar a entender por que o Nintendo Switch ainda é um excelente console mesmo quatro anos após seu lançamento. Vamos lá?

Prós

  • Roda jogos em até 60 fps;

  • Sistema híbrido;

  • Jogos exclusivos;

  • Multijogador exemplar.

Contras

  • Poucos aplicativos;

  • Apenas 32 GB de memória interna;

  • Interface é pouco customizável.

Nintendo Switch: jogue o que quiser, onde quiser

Quem, algum dia, imaginaria poder desfrutar de um jogo de grande orçamento sem precisar de um console super potente ou um computador gamer? Com o Nintendo Switch, isso é possível — eu e boa parte dos jogadores consideramos isso um dos seus principais diferenciais.

O console da Nintendo tem um sistema híbrido que permite jogar tanto pela TV ou monitor via HDMI — de maneira mais tradicional — quanto através da sua própria tela LCD de 6,2 polegadas. No modo portátil, os jogos rodam em resolução HD a até 60 quadros por segundo (fps), qualidade mais que suficiente para se ter uma boa jogatina.

(Imagem: Daniel Rykhev/Unsplash)
(Imagem: Daniel Rykhev/Unsplash)

Muitas pessoas, injustamente, comparam o poder de processamento do Switch, um console compacto, com o de um PlayStation 5 ou Xbox Series S - SeriesX. De fato, ele é menos poderoso quando o assunto é hardware — portanto não temos conteúdos em 4K a 120 fps, por exemplo —, mas você ainda consegue ter uma jogatina ótima e em qualquer lugar.

Durante os testes, joguei títulos como The Witcher 3: Wild Hunt, Mortal Kombat 11, Dead By Daylight e Fortnite no ônibus, enquanto viajava, na cama e no banheiro, e achei a qualidade excelente, principalmente se considerarmos que ele é um console portátil.

(Imagem: Erik Mclean/Unsplash)
(Imagem: Erik Mclean/Unsplash)

Nintendo Switch: jogue com a família toda

Outra característica que pode justificar o sucesso do Nintendo Switch é o sistema multijogador. Isso porque o console permite conectar até oito controles — joy-cons e Pro Controllers —, mesmo número suportado pelos Xbox Series S-X e quatro a mais em relação ao suportado pelo PlayStation 5.

Onde o console da Nintendo se sobressai em relação aos concorrentes é nos jogos que suportam mais de dois jogadores simultâneos. Eu vou comentar mais sobre esse tópico abaixo, mas temos Mario Kart 8 Deluxe, Mario Party e Super Smash Bros. Ultimate, franquias exclusivas e de muito sucesso da Nintendo, como as melhores opções para jogar com amigos e família.

(Imagem: Divulgação/Nintendo)
(Imagem: Divulgação/Nintendo)

Caso mais de um membro da sua família tenha um Switch, você também consegue jogar em equipe, contra outros jogadores com a assinatura Nintendo Switch Online e por conexão local. A assinatura é uma das mais acessíveis em relação às que a Microsoft e a Sony oferecem, e é imprescindível tê-la para usufruir de todos os benefícios do console.

(Imagem: Divulgação/Nintendo)
(Imagem: Divulgação/Nintendo)

Nintendo Switch: jogos exclusivos

Considero, também, o fator jogos exclusivos outro grande diferencial. A Nintendo é dona de diversas franquias antigas e de muito sucesso, como Mario, Pokémon, The Legend of Zelda, Super Smash Bros., Splatoon, Star Fox, Donkey Kong entre outros.

Na prática, pelo menos até a data de publicação desta matéria, só é possível jogar esses títulos tendo algum modelo da família Switch. Ou seja, caso você seja fã de algumas dessas franquias citadas acima, certamente o Switch é um console basicamente obrigatório.

(Imagem: Divulgação/Nintendo)
(Imagem: Divulgação/Nintendo)

Além dos jogos exclusivos, uma novidade que a Nintendo anunciou recentemente e chamou muita atenção foi a disponibilidade de jogos clássicos de Nintendo 64 e Mega Drive (também conhecido como SEGA Genesis) através do Switch Online, por um custo adicional.

A Nintendo ainda não revelou todos os jogos que estarão disponíveis nessa “expansão” do Switch Online, mas nomes como Sonic The Hedgehog 2, Super Mario 64, Streets of Rage 2, Golden Axe, Phantasy Star IV, The Legend of Zelda: Ocarina of Time, Mario Tennis e Star Fox 64 estão na lista.

(Imagem: Lucas Santos/Unsplash)
(Imagem: Lucas Santos/Unsplash)

Nintendo Switch: nem tudo é perfeito

Até agora, só havia falado dos pontos positivos do console da Nintendo, mas vamos aos negativos: o Switch é equipado com apenas 32 GB de armazenamento interno, uma capacidade ínfima se você estiver pensando em instalar mais de dois jogos na memória.

Por exemplo, só Legend of Zelda: Breath of The Wild pesa cerca de 14 GB, enquanto Mario Kart 8 Deluxe, aproximadamente 7 GB, o que basicamente já encheria a memória do console. Já o Mortal Kombat 11, por sua vez, precisa de 32 GB para ser instalado — ou seja, basicamente você é obrigado a comprar um cartão de memória separadamente.

Outro ponto negativo do Nintendo Switch é seu leque de aplicativos de streaming, como Netflix, Prime Video, entre outros. Em 2018, a página oficial Netflix CS (@netflixhelps) publicou um tweet — já removido na data de publicação desta matéria — dizendo que não havia planos de lançar um app para o console da Nintendo.

Além disso, em janeiro deste ano a própria “Big N” (apedido da Nintendo) anunciou a retirada do app da Netflix dos consoles Wii U e 3DS. Portanto não me parece que a chegada da Netflix ao Switch deva acontecer tão cedo — isso se acontecer. Entretanto, apesar da ausência de grandes nomes do entretenimento no console da empresa, você ainda vai conseguir assistir a vídeos pelo YouTube, além de animes pela Funimation.

Por fim, vale lembrar que o Switch pode ser encontrado em duas versões. A primeira, de 2017 e caracterizada por uma caixa cinza, veio com sérios problemas nos controles e baixa autonomia de bateria, portanto eu não a recomendaria se você estiver pensando em comprá-la.

(Imagem: Divulgação/Nintendo)
(Imagem: Divulgação/Nintendo)

A segunda versão, lançada em 2019 e caracterizada por uma caixa nas cores vermelho e azul, é uma revisão da primeira e resolveu principalmente o problema dos joy-cons, além de trazer um processador revisado que consome menos bateria.

Nintendo Switch: quanto custa?

O Switch chegou ao Brasil no final de 2020 custando salgados R$ 3 mil, mas atualmente seu preço tem sido muito interessante para quem procura entrar no ecossistema da Nintendo. Uma pesquisa rápida já foi o suficiente para encontrar o console entre R$ 1,9 mil e R$ 2,3 mil, valor bem mais condizente pelas características que entrega.

A Nintendo também vende o Switch Lite oficialmente aqui no Brasil pelo preço sugerido de R$ 1,9 mil, mas ele já pode ser encontrado por valores bem mais em conta, chegando próximo dos R$ 1,5 mil em alguns varejistas.

(Imagem: Divulgação/Nintendo)
(Imagem: Divulgação/Nintendo)

Diferentemente do Switch padrão, o modelo Lite é totalmente portátil, ou seja, não consegue se conectar a um monitor ou TV para jogar em tela grande, e tem dimensões menores, podendo ser mais prático para carregar a qualquer lugar — inclusive, meu colega Lucas Arraz apontou, numa matéria especial sobre o console, que ele é a opção certa para quem procura ou estava com saudades de um console realmente portátil da Nintendo.

Nintendo Switch: ainda vale a pena?

Como eu já comentei na introdução desta matéria, o Nintendo Switch ainda vale a pena, principalmente se você preza por portabilidade e for fã de jogos clássicos e exclusivos da Nintendo. O console é um produto ideal para reunir família e amigos e se divertir por muitas horas aonde quer que seja.

Jogadores que gostam de grandes lançamentos também podem aproveitar o Switch, embora seja preciso considerar que os gráficos não serão tão bons quanto os de um PlayStation 5.

Resumidamente, eu considero o Switch um console complementar, pois você pode tê-lo em sua casa sem deixar de lado o videogame principal — por exemplo, ter um Switch para jogar em movimento e um PlayStation 5 ou Xbox Series S-X para curtir em casa — e está tudo bem. Afinal, que mal tem aproveitar o melhor de todos os mundos?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos