Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    36.638,98
    -1.199,67 (-3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Nintendo inclui até perseguições físicas a hackers, indicam vazamentos

Felipe Ribeiro
·2 minuto de leitura

Há alguns anos, a Nintendo é conhecida por sua rigidez contra hackers e programadores que desvendam seus aparelhos, independentemente dos resultados. Seja com criminosos, seja com profissionais mais "éticos", a Big N não costuma tolerar esse comportamento e vai até às últimas consequências para tornar a vida dessas pessoas um verdadeiro inferno.

Isso ficou ainda mais evidenciado após uma série de vazamentos expostos no Twitter, em que alguns perfis mostram documentos que detalham como a empresa lida com hackers. O caso mais escancarado foi com Neimod, que teve sua vida completamente invadida pela Nintendo, com diferentes cenários pensados e nuances de coação por parte da gigante dos jogos.

Marcação cerrada

Nos documentos é possível ver alguns indicativos de como a Nintendo afetou a vida de Neimod. Esse hacker descobriu falhas no sistema do 3DS para seu desbloqueio, mas nunca chegou a utilizar seu conhecimento para estimular a pirataria — e a Nintendo sabe disso. Contudo, mesmo assim, a Big N promoveu uma caça ao hacker.

A Nintendo monitorou toda a vida pessoal de Neimod, incluindo seus deslocamentos físicos, em ações locais que se iniciaram em 2013. A ordem na empresa, que está detalhada na arte abaixo, era para que quando abordado, de fato, tudo fosse muito amigável, como se fosse em uma reunião corporativa. Já no papo, a equipe da Nintendo estava preparada para cenários onde o hacker cooperasse e caso ele não fizesse questão nenhuma disso.

Nintendo 3DS foi desbloqueado por hacker/ Imagem: Nintendo
Nintendo 3DS foi desbloqueado por hacker/ Imagem: Nintendo

Para o caso de sua cooperação, poderiam ser oferecidas vantagens, como um contrato para lhe dar recompensas por achar mais falhas em seus sistemas, além de uma boa publicidade do rapaz, que serviria para deixar a imagem da Nintendo mais bem conceituada neste universo. Se o hacker, eventualmente, não cooperasse, a Big N poderia processá-lo, com base nas leis belgas de crimes cibernéticos.

Imagem: Eclipse_tt/ Twitter
Imagem: Eclipse_tt/ Twitter

"Se bem-sucedida, a imagem pública da Nintendo pode ser reforçada como uma empresa moderna e experiente em tecnologia, ao mesmo tempo que sugere que os hackers devem ser cooperativos em vez de agressivos com a Nintendo no futuro", diz o documento.

O caso ainda terá desdobramentos legais, mas essa atitude da Nintendo pode, segundo especialistas, atiçar ou amedrontar hackers, que costumam ser coorporativistas em algum nível. Se a ideia da Nintendo era, além de proteger seus produtos, de ter uma imagem mais amigável no mercado, esses vazamentos, certamente, a prejudicaram.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: